Lucros do Goldman Sachs crescem 58% no terceiro trimestre

Apesar dos bons resultados neste terceiro trimestre, nos primeiros nove meses do ano, os lucros ficaram 1% abaixo dos registados há um ano

O banco norte-americano Goldman Sachs anunciou hoje que os seus lucros no terceiro trimestre cresceram 58% face ao período homólogo de 2015 e ficaram em 2,1 mil milhões de dólares (1,91 mil milhões de euros).

O lucro por ação no terceiro trimestre foi de 4,88 dólares (quando tinha sido de 2,90 dólares no terceiro trimestre de 2015) e o volume de negócios atingiu 8,17 mil milhões de dólares, uma subida de 19%.

Os analistas esperavam que o Goldman Sachs tivesse no terceiro trimestre um lucro de 3,82 dólares por ação, tendo o resultado superado as expectativas.

Apesar dos bons resultados neste terceiro trimestre, nos primeiros nove meses do ano, os lucros ficaram 1% abaixo dos registados há um ano.

Entre janeiro e setembro, os lucros do grupo alcançaram 4,93 mil milhões de dólares, quando no mesmo período de 2015 tinham atingido 4,99 mil milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.