Lucros das 1000 maiores são de de 5,8 mil milhões de euros

Cerca de 143 mil milhões de euros foram as receitas conjuntas das 1000 maiores empresas nacionais em 2016, um ligeiro crescimento de 1,8%.

As 1000 maiores empresas nacionais geraram, em 2016, cerca 143 mil milhões de euros de receitas - o equivalente a 77% do PIB nacional - o que representou um crescimento de 1,8% face ao ano anterior, ainda que um ligeiro decréscimo de peso no PIB. Estas empresas conseguiram, pois, aproveitar retoma da confiança e o consecutivo crescimento da economia nacional, que registou um incremento de 1,4% no ano passado, e recuperaram até um pouco mais nas vendas do que a taxa de crescimento do produto interno.

Boas notícias também no que aos resultados líquidos diz respeito, já que os lucros acumulados deste grupo de empresas aumentaram 2,89%, atingindo um montante de 5,8 mil milhões de euros, face aos 5,7 mil milhões registados em 2015. Também as exportações destas empresas conseguiram um bom comportamento, ao crescerem 5,94%, passando de um montante de 33,35 mil milhões para 35,33 mil milhões de euros.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.