Lucros das 1000 maiores são de de 5,8 mil milhões de euros

Cerca de 143 mil milhões de euros foram as receitas conjuntas das 1000 maiores empresas nacionais em 2016, um ligeiro crescimento de 1,8%.

As 1000 maiores empresas nacionais geraram, em 2016, cerca 143 mil milhões de euros de receitas - o equivalente a 77% do PIB nacional - o que representou um crescimento de 1,8% face ao ano anterior, ainda que um ligeiro decréscimo de peso no PIB. Estas empresas conseguiram, pois, aproveitar retoma da confiança e o consecutivo crescimento da economia nacional, que registou um incremento de 1,4% no ano passado, e recuperaram até um pouco mais nas vendas do que a taxa de crescimento do produto interno.

Boas notícias também no que aos resultados líquidos diz respeito, já que os lucros acumulados deste grupo de empresas aumentaram 2,89%, atingindo um montante de 5,8 mil milhões de euros, face aos 5,7 mil milhões registados em 2015. Também as exportações destas empresas conseguiram um bom comportamento, ao crescerem 5,94%, passando de um montante de 33,35 mil milhões para 35,33 mil milhões de euros.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.