Lucro do grupo Ikea aumenta para 4,2 mil milhões de euros

Registou-se ainda um aumento de 7,4% das vendas

O lucro do grupo sueco de mobiliário Ikea aumentou 20% para 4,2 mil milhões de euros no ano fiscal de 2016 face a 2015, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado, o grupo reportou ainda um aumento de 7,4% das vendas para 35,1 mil milhões de euros no período entre 01 de setembro de 2015 a 31 de agosto de 2016.

"O forte crescimento das vendas foi determinante para os bons resultados da Ikea no ano financeiro de 2016. Com o objetivo de se tornar líder no retalho multicanal de mobiliário e decoração, o grupo IKEA tem vindo a reforçar a aposta em novos formatos de loja e nas vendas 'online', para ir ao encontro das necessidades e expectativas dos seus clientes", refere a empresa.

Ao longo do exercício fiscal de 2016 a Ikea diz ter registado um aumento do número de visitas quer às lojas, quer à sua página na Internet, para 783 milhões e 2,1 mil milhões, respetivamente.

Segundo sustenta o grupo sueco, as novas lojas e as vendas 'online' "têm cada vez mais expressão" nos resultados, "ainda que o grande contributo provenha das lojas comparáveis".

No ano fiscal de 2016, o grupo Ikea inaugurou 12 novas lojas, incluindo mais uma em Portugal

A nível geográfico, adianta, o crescimento "está bem distribuído pelos mercados", tendo a China continuado a ser "um dos países onde a Ikea registou maior crescimento", enquanto a Alemanha, EUA, França, Reino Unido e Suécia foram os mercados com maior volume de vendas.

No ano fiscal de 2016, o grupo Ikea inaugurou 12 novas lojas em países, incluindo Portugal (Braga, em março passado), e abriu 19 novos 'order' e 'pick-up points' para pedido e recolha de encomendas, desenvolvendo em paralelo a sua rede de distribuição multicanal.

Ao nível da sustentabilidade, o grupo Ikea anunciou hoje o investimento de mil milhões de euros "para garantir que, a longo prazo, os seus produtos provêm de matérias-primas mais sustentáveis", quer através da silvicultura, quer de empresas especializadas em reciclagem, ampliação do parque de energias renováveis e desenvolvimento de biomateriais.

Este valor acresce aos 1,5 mil milhões de euros já investidos em projetos de energia solar e eólica desenvolvidos desde 2009 e aos 600 milhões de euros também aplicados nesta área, no âmbito do objetivo definido pelo grupo de, até 2020, ser independente a nível energético.

Em Portugal, a estratégia da Ikea passa por ter um total de 10 pontos de contacto até 2025, tendo a empresa sueca acabado de disponibilizar uma loja 'online' para todo o país e preparando-se para abrir a primeira loja no Algarve, em Loulé.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.