Lucro da Ikea aumenta 5,5% no ano fiscal de 2015

Lucros subiram para ps 3,5 mil milhões de euros

O lucro da Ikea aumentou 5,5% em termos homólogos no ano fiscal de 2015, somando 3,5 mil milhões de euros, enquanto as vendas subiram 11,2% para 31,9 mil milhões de euros, divulgou hoje o grupo sueco.

Em entrevista à agência Lusa, o diretor financeiro da Ikea Portugal, Pedro Cano, afirmou que as três lojas do grupo no país - Matosinhos, Alfragide e Loures - deram "a sua contribuição positiva" para os resultados globais, mas não avançou números concretos.

Aliás, acrescentou, "o ano fiscal de 2015 [período entre 01 de setembro de 2015 e 31 de agosto de 2015] foi de sucesso para grupo Ikea, com todos os mercados a conseguirem, no mínimo, manter-se estáveis".

De acordo com o responsável, a China destacou-se em 2015 como o mercado de maior crescimento do grupo, seguida da Rússia, mas os mercados com maior volume de faturação "continuaram a ser a Alemanha, os EUA, Inglaterra, Itália e França".

O ano 2015 marcou ainda a estreia da Ikea na Coreia do Sul, "com resultados muito interessantes e acima das expectativas iniciais do grupo", disse Pedro Cano.

Se incluído nas vendas globais deste ano o negócio dos centros comerciais, as receitas do grupo sueco ascenderam a 32,7 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 11,5% face a 2014.

No âmbito da política da empresa de reinvestimento do lucro obtido, a Ikea diz ter reaplicado no ano fiscal de 2015 3,2 dos 3,5 mil milhões de euros de resultado líquido obtido, designadamente na abertura de 13 novas lojas e de três novos 'pick-up points' em Espanha, Noruega e Finlândia, no desenvolvimento das lojas já existentes e na mudança de toda a gama de iluminação Ikea para 100% LED.

Em Portugal, o grupo Ikea reafirma a meta de chegar a 2025 com um total de 10 lojas, num investimento superior a 1.100 milhões de euros, sendo Braga a próxima abertura prevista - na primavera de 2016 -- e Loulé a inauguração seguinte, agendada para 2017.

Para Loulé, onde nascerá o primeiro investimento da marca no sul do país, está previsto, para além da loja Ikea, um centro comercial e um 'outlet', num investimento total de 200 milhões de euros.

Segundo o diretor financeiro da Ikea Portugal, "ainda não estão fechadas as localizações relativamente aos outros projetos", continuando o grupo "a procurar as melhores soluções" com base nos estudos de mercado já realizados.

"Mas queremos estar, obviamente, próximos da maioria da população portuguesa", disse o diretor financeiro, corroborando assim afirmações recentes da diretora de comunicação corporativa do grupo sueco, Cláudia Domingues, no sentido de que as novas lojas deverão abrir "na grande Lisboa e grande Porto".

No total, disse Pedro Cano, ao longo do ano 2015 foram mais de 10 milhões os visitantes das lojas Ikea em Portugal, o que "é um sinal de que o projeto de expansão no país está justificado".

Adicionalmente, as "apostas de futuro" da Ikea em Portugal passam pelo alargamento a todo o país das vendas 'online', atualmente limitadas ao mercado das ilhas da Madeira e Açores, embora tal não vá ainda ocorrer em 2016.

"É um projeto no qual estamos a trabalhar. Há alguns países que estão mais avançados e que já têm um volume significativo de faturação online, mas Portugal está no 'pipeline' e será um dos países onde iremos ter essa oferta para os clientes", disse.

Na área ambiental, o grupo Ikea aponta como objetivo atingir a independência energética até ao ano 2020 -- atualmente situa-se nos 53% - tendo em curso em Portugal um investimento de quatro milhões de euros na instalação de 10 mil painéis solares nas três lojas do país que irão satisfazer "cerca de 26%" da necessidade energética daquelas unidades.

Destacando o desempenho obtido a nível da sustentabilidade no ano fiscal de 2015, a Ikea aponta, nomeadamente, os 1.000 milhões de euros aplicados no combate às alterações climáticas, os 400 milhões de euros a canalizar até 2020 no apoio às comunidades que mais sofrem com este fenómeno e as mais de 90 milhões de lâmpadas e candeeiros LED vendidos.

Globalmente, o grupo Ikea emprega 155 mil colaboradores nas 328 lojas que detém em 28 mercados, mantendo operações em 43 países (mais de 40 lojas Ikea são geridas por franchisados externos).

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".