Lucro da EDP cai 16% nos primeiros nove meses do ano

Situa-se agora nos para os 615 milhões de euros

O resultado líquido da EDP totalizou 615 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2016, um recuo de 16% face a igual período de 2015, anunciou hoje a elétrica liderada por António Mexia.

Excluindo os impactos não recorrentes registados, o resultado líquido ajustado ascendeu a 661 milhões de euros até setembro, um aumento de 17% em relação ao homólogo, impulsionado pela venda de ativos de gás à Redexis, a aquisição de um participação adicional de 50% na central de Pecém I e penalizado pelo registo de imparidade no BCP e o pagamento da contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE).

Até setembro, o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) fixou-se nos 2.893 milhões de euros, um decréscimo de 3% face aos 2.991 milhões de euros de igual período de 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.