Lloyds Banking Group aumentou lucros e subiu ordenado a Horta Osório

O lucro, antes da aplicação dos impostos, atingiu os 5.981 milhões de euros em 2017, um aumento de 24% comparativamente a 2016.

O Lloyds Banking Group obteve um lucro bruto de 4.022 milhões de euros em 2017, um aumento de 41% em relação ao ano anterior e subiu o ordenado ao presidente do Conselho de Administração.

Em comunicado enviado hoje à Bolsa de Valores de Londres, o banco também deu a conhecer o novo plano estratégico que prevê um investimento de 3.042 milhões de euros nos "serviços digitais".

O lucro, antes da aplicação dos impostos, atingiu os 5.981 milhões de euros, em 2017, um aumento de 24 por cento comparativamente a 2016.

Os depósitos dos clientes totalizaram no ano passado 471.744 milhões, uma subida de 1% em relação ao ano anterior, enquanto o ratio entre empréstimos e depósitos foi de 110%.

O total de ativos do grupo bancário, em 2017, atingiu os 920.808 milhões de euros, menos 1% do que em 2016, segundo o Lloyds Banking.

O presidente do Concelho de Administração, António Horta Osório, assinalou que 2017 foi um "ano importante para a entidade" porque, no mês de maio do ano passado, o governo britânico completou a venda das ações do grupo.

Em relação ao Brexit, o responsável afirmou que o futuro das relações entre o Reino Unido e a União Europeia não é claro sublinhando que as "perspetivas são incertas".

Mesmo assim, acrescentou, a "economia britânica é resistente, com um nível baixo de desemprego, preços imobiliários estáveis, alto nível de emprego e um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,8%".

Horta Osório disse ainda que a instituição está focada no melhoramento dos serviços digitais, "uma entidade simples e de baixo risco".

O banco aumentou também o salário base de Horta Osório de 1,24 milhões de euros para 1,360 milhões de euros, por ano, e ainda um incremento no plano de incentivos, o que vai totalizar uma remuneração total de 7,2 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos