Lloyds Banking Group aumentou lucros e subiu ordenado a Horta Osório

O lucro, antes da aplicação dos impostos, atingiu os 5.981 milhões de euros em 2017, um aumento de 24% comparativamente a 2016.

O Lloyds Banking Group obteve um lucro bruto de 4.022 milhões de euros em 2017, um aumento de 41% em relação ao ano anterior e subiu o ordenado ao presidente do Conselho de Administração.

Em comunicado enviado hoje à Bolsa de Valores de Londres, o banco também deu a conhecer o novo plano estratégico que prevê um investimento de 3.042 milhões de euros nos "serviços digitais".

O lucro, antes da aplicação dos impostos, atingiu os 5.981 milhões de euros, em 2017, um aumento de 24 por cento comparativamente a 2016.

Os depósitos dos clientes totalizaram no ano passado 471.744 milhões, uma subida de 1% em relação ao ano anterior, enquanto o ratio entre empréstimos e depósitos foi de 110%.

O total de ativos do grupo bancário, em 2017, atingiu os 920.808 milhões de euros, menos 1% do que em 2016, segundo o Lloyds Banking.

O presidente do Concelho de Administração, António Horta Osório, assinalou que 2017 foi um "ano importante para a entidade" porque, no mês de maio do ano passado, o governo britânico completou a venda das ações do grupo.

Em relação ao Brexit, o responsável afirmou que o futuro das relações entre o Reino Unido e a União Europeia não é claro sublinhando que as "perspetivas são incertas".

Mesmo assim, acrescentou, a "economia britânica é resistente, com um nível baixo de desemprego, preços imobiliários estáveis, alto nível de emprego e um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,8%".

Horta Osório disse ainda que a instituição está focada no melhoramento dos serviços digitais, "uma entidade simples e de baixo risco".

O banco aumentou também o salário base de Horta Osório de 1,24 milhões de euros para 1,360 milhões de euros, por ano, e ainda um incremento no plano de incentivos, o que vai totalizar uma remuneração total de 7,2 milhões de euros.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.