Lloyds Banking Group aumentou lucros e subiu ordenado a Horta Osório

O lucro, antes da aplicação dos impostos, atingiu os 5.981 milhões de euros em 2017, um aumento de 24% comparativamente a 2016.

O Lloyds Banking Group obteve um lucro bruto de 4.022 milhões de euros em 2017, um aumento de 41% em relação ao ano anterior e subiu o ordenado ao presidente do Conselho de Administração.

Em comunicado enviado hoje à Bolsa de Valores de Londres, o banco também deu a conhecer o novo plano estratégico que prevê um investimento de 3.042 milhões de euros nos "serviços digitais".

O lucro, antes da aplicação dos impostos, atingiu os 5.981 milhões de euros, em 2017, um aumento de 24 por cento comparativamente a 2016.

Os depósitos dos clientes totalizaram no ano passado 471.744 milhões, uma subida de 1% em relação ao ano anterior, enquanto o ratio entre empréstimos e depósitos foi de 110%.

O total de ativos do grupo bancário, em 2017, atingiu os 920.808 milhões de euros, menos 1% do que em 2016, segundo o Lloyds Banking.

O presidente do Concelho de Administração, António Horta Osório, assinalou que 2017 foi um "ano importante para a entidade" porque, no mês de maio do ano passado, o governo britânico completou a venda das ações do grupo.

Em relação ao Brexit, o responsável afirmou que o futuro das relações entre o Reino Unido e a União Europeia não é claro sublinhando que as "perspetivas são incertas".

Mesmo assim, acrescentou, a "economia britânica é resistente, com um nível baixo de desemprego, preços imobiliários estáveis, alto nível de emprego e um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,8%".

Horta Osório disse ainda que a instituição está focada no melhoramento dos serviços digitais, "uma entidade simples e de baixo risco".

O banco aumentou também o salário base de Horta Osório de 1,24 milhões de euros para 1,360 milhões de euros, por ano, e ainda um incremento no plano de incentivos, o que vai totalizar uma remuneração total de 7,2 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).