Lisboetas têm de trabalhar 11 dias para comprar um iPhone

Zurique, na Suíça, é a campeã dos preços mais altos no mundo. Mas é também a que tem o maior poder de compra, 35% acima de Nova Iorque

Os lisboetas têm de trabalhar em média 89 horas para conseguirem comprar um iPhone 6 de 16 gigabites. É o mesmo que dizer que têm de trabalhar mais de 11 dias - assumindo que um dia de trabalho tem oito horas - antes de poderem comprar um telemóvel que custa cerca de 650 euros. Ou seja, ganham em média 7,3 euros por hora.

A conclusão é de um estudo do banco suíço UBS, que parte da pergunta "Ganho o suficiente para levar a vida que quero?" Para responder a esta questão o UBS analisou o custo de vida em 71 cidades, comparando os preços de 122 produtos e serviços e o rendimento de 15 profissões: operário da construção civil, engenheiro, mecânico, funcionário bancário, professor e enfermeiro, entre outros. Da comparação do preço de quatro produtos disponíveis em todo o mundo - um Big Mac, um quilo de pão, um quilo de arroz e um iPhone 6 de 16 gigabites - foi determinado o tempo de trabalho necessário para os adquirir em cada cidade.

Assim, ficamos a saber que se morar em Lisboa precisa de 22 minutos de trabalho para comprar um Big Mac, 16 minutos para um quilo de pão e oito minutos para um quilo de arroz. A nível mundial, Lisboa fica abaixo do tempo médio de trabalho necessário para adquirir estes produtos: 27 minutos para um Big Mac, 19 minutos para um quilo de pão, 18 minutos para um quilo de arroz e 119 horas (quase 15 dias) para um iPhone.

Mas a lista completa inclui cidades como Nairobi, capital do Quénia, onde é preciso trabalhar quase três horas para poder comprar um Big Mac. Se considerarmos apenas as cidades europeias, o cenário laboral em Lisboa é menos animador. Na Europa, os lisboetas só estão melhor do que quem trabalha em Varsóvia, Vilnius, Tallinn, Sófia, Riga, Kiev, Budapeste, Bucareste e Bratislava.

O nível de vida em Lisboa fica muito longe de, por exemplo, Londres, onde é preciso trabalhar seis minutos para comprar um quilo de pão e menos de metade do tempo (41 horas) para conseguir um iPhone. Mas na Europa é Zurique que se destaca: na cidade suíça, 21 horas de trabalho rendem o suficiente para comprar um smartphone da Apple.

O estudo analisa também o valor das rendas nas 71 cidades, bem como os preços da restauração ou hotelaria. E as disparidades são ainda mais evidentes: se um lisboeta paga em média 710 dólares (652 euros) por um T2 mobilado, um nova-iorquino tem de pagar 4620 dólares (4243 euros) pelo mesmo tipo de apartamento. Já em Sófia, uma casa com estas características custa em média 270 euros. Mas os salários são também muito diferentes. Tendo Nova Iorque como valor-base, com o índice 100, ficamos a saber que os habitantes de Zurique têm um poder de compra 35,1% acima, enquanto o dos lisboetas está 45,5% abaixo do dos americanos.

Feitas as contas de um cabaz de 122 produtos e serviços (incluindo a renda), Zurique, Genebra e Nova Iorque são as cidades mais caras do mundo. Aqui, os bens e serviços custam 2,5 vezes mais do que em Bucareste, Sófia ou Kiev, as três mais baratas. A capital portuguesa está na metade do ranking onde o custo de vida é mais barato.

Para Carlos Martins, professor universitário especialista em consumo, estes dados "valem o que valem" e servem para nos recordar "que ganhamos pouco". Mas ganhamos pouco "por razões intrinsecamente nossas, porque fazemos produtos de fraco valor acrescentado e não somos capazes de gerar riqueza nacional para termos rendimentos superiores. E faz-nos pensar no que vai acontecer nos próximos anos, em que certamente não vamos ter capacidade para enriquecer".

Com I.P.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.