Lisboa à frente de Paris e Londres em 'ranking' de qualidade de vida

A capital portuguesa subiu cinco posições, para o 38º lugar. Oito das cidades do top 10 são na Europa

A cidade de Lisboa subiu cinco posições em relação ao ano passado num 'ranking' mundial de qualidade de vida divulgado pela consultora Mercer, ocupando a 38.ª posição, à frente de cidades como Paris, Londres, Milão, Madrid e Nova Iorque.

Segundo o estudo, a capital lisboeta subiu no 'ranking' global devido a uma "melhoria na classificação da categoria associada ao crime na cidade, que melhorou face ao ano anterior".

Viena (Áustria) assume a liderança pela nona vez consecutiva, seguida de Zurique (Suíça), Auckland (Nova Zelândia) e Munique (Alemanha). "Viena continua a ser a cidade com melhor qualidade de vida na Europa e a nível global, fornecendo a residentes e expatriados um elevado nível de segurança, transportes públicos bem estruturados, bem como uma grande variedade de instalações culturais e de entretenimento", lê-se no estudo.

As cidades com menor qualidade de vida são Bagdade, no Iraque, Bangui, na República Centro-Africana e Sana, no Iemén

O documento enviado pela Mercer destaca ainda que "oito das cidades do top 10 situam-se na Europa".

Por outro lado, as cidades com menor qualidade de vida são Bagdade, no Iraque (231.º lugar), Bangui, na República Centro-Africana (230.º) e Sana, no Iemén (229.º).

A 20.ª edição do estudo anual Quality of Living, desenvolvido pela consultora Mercer, disponibiliza ainda um 'ranking' sobre as condições de saneamento das cidades, "que analisa as infraestruturas relacionadas com a remoção de resíduos e esgotos, níveis de doenças infecciosas, poluição do ar, fornecimento e qualidade de água".

Relativamente ao saneamento, Lisboa encontra-se em 59.º lugar, acima de cidades como Barcelona, em Espanha, (61.º), Londres, no Reino Unido, (67.º) e Roma, em Itália (77.º).

No top 10 do 'ranking' relativo aos níveis de saneamento estão presentes apenas duas cidades europeias: Helsínquia, na Finlândia (2.º), e Copenhaga, na Dinamarca (8.º).

O pódio deste 'ranking' é composto por Honolulu, nos Estados Unidos, Helsínquia, na Finlândia, e Otava, no Canadá.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.