Lisboa à frente de Paris e Londres em 'ranking' de qualidade de vida

A capital portuguesa subiu cinco posições, para o 38º lugar. Oito das cidades do top 10 são na Europa

A cidade de Lisboa subiu cinco posições em relação ao ano passado num 'ranking' mundial de qualidade de vida divulgado pela consultora Mercer, ocupando a 38.ª posição, à frente de cidades como Paris, Londres, Milão, Madrid e Nova Iorque.

Segundo o estudo, a capital lisboeta subiu no 'ranking' global devido a uma "melhoria na classificação da categoria associada ao crime na cidade, que melhorou face ao ano anterior".

Viena (Áustria) assume a liderança pela nona vez consecutiva, seguida de Zurique (Suíça), Auckland (Nova Zelândia) e Munique (Alemanha). "Viena continua a ser a cidade com melhor qualidade de vida na Europa e a nível global, fornecendo a residentes e expatriados um elevado nível de segurança, transportes públicos bem estruturados, bem como uma grande variedade de instalações culturais e de entretenimento", lê-se no estudo.

As cidades com menor qualidade de vida são Bagdade, no Iraque, Bangui, na República Centro-Africana e Sana, no Iemén

O documento enviado pela Mercer destaca ainda que "oito das cidades do top 10 situam-se na Europa".

Por outro lado, as cidades com menor qualidade de vida são Bagdade, no Iraque (231.º lugar), Bangui, na República Centro-Africana (230.º) e Sana, no Iemén (229.º).

A 20.ª edição do estudo anual Quality of Living, desenvolvido pela consultora Mercer, disponibiliza ainda um 'ranking' sobre as condições de saneamento das cidades, "que analisa as infraestruturas relacionadas com a remoção de resíduos e esgotos, níveis de doenças infecciosas, poluição do ar, fornecimento e qualidade de água".

Relativamente ao saneamento, Lisboa encontra-se em 59.º lugar, acima de cidades como Barcelona, em Espanha, (61.º), Londres, no Reino Unido, (67.º) e Roma, em Itália (77.º).

No top 10 do 'ranking' relativo aos níveis de saneamento estão presentes apenas duas cidades europeias: Helsínquia, na Finlândia (2.º), e Copenhaga, na Dinamarca (8.º).

O pódio deste 'ranking' é composto por Honolulu, nos Estados Unidos, Helsínquia, na Finlândia, e Otava, no Canadá.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.