Lisboa e Algarve. Preço das casas deve subir de forma "mais acentuada"

A procura no mercado de compra e venda continua a superar a oferta

O preço das casas continua a aumentar em Portugal, prevendo-se que a subida "mais acentuada", ao longo deste ano, se verifique em Lisboa e no Algarve, segundo o mais recente inquérito 'Portuguese Housing Market Survey' (PHMS), hoje divulgado.

Com base nas respostas de 150 inquiridos de empresas do setor imobiliário, as projeções para este ano apontam para "um aumento do preço da habitação de cerca de 4%" nas regiões de Lisboa e do Algarve, enquanto "na região do Porto se antevê um crescimento mais lento".

De acordo com o inquérito PHMS, realizado em janeiro, registou-se "uma nova aceleração na subida dos preços das casas a nível nacional" e verificou-se que "a procura no mercado de compra e venda continua a superar a oferta".

Apesar de a procura ser superior, a oferta recuperou ligeiramente no mês de janeiro, "com as novas angariações de fogos para a venda a aumentarem marginalmente pela primeira vez em seis meses".

"As vendas acordadas registaram em janeiro um forte aumento em todas as regiões cobertas pelo PHMS (Lisboa, Porto e Algarve) e, com a procura a manter-se superior à oferta, os preços das casas continuam em ritmo ascendente", revelou o inquérito.

À semelhança do que se verifica com o mercado de compra e venda de casa, a oferta no mercado de arrendamento "continua pouco dinâmica, em contraste com a procura por parte de arrendatários, que continua a subir de forma robusta", apurou o inquérito aos empresários do imobiliário, indicando que "esta é uma tendência que se tem vindo a verificar, em grande parte dos últimos dois anos, o que tem levado a que as rendas se mantenham firmemente em trajetória ascendente".

Segundo o diretor da empresa de informação Confidencial Imobiliário, Ricardo Guimarães, a principal dificuldade mencionada pelos inquiridos é "a escassez de casas, tanto para vender como para arrendar, mas principalmente para vender, observando-se um abrandamento na procura para arrendar".

"As condições de mercado encontram-se claramente favoráveis à dinâmica imobiliária e as expectativas apontam para que os preços e a procura continuem a crescer em 2017", afirmou, em comunicado, Ricardo Guimarães.

Para o economista do Royal Institution of Chartered Surveyors (RICS) Simon Rubinsohn, os resultados do PHMS de janeiro confirmam que "o crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] em Portugal ultrapassou a média da zona euro pelo segundo trimestre consecutivo no quarto trimestre de 2016".

"A segunda metade de 2016 registou o maior crescimento económico semestral desde 2010. Não obstante, como um todo, a economia permanece 4% abaixo de 2008 e será necessário uma melhoria sustentada para continuar a apoiar o mercado imobiliário", defendeu o economista do RICS.

O PHMS é um inquérito mensal realizado em parceria entre a Confidencial Imobiliário e o RICS, para publicação de um Índice de Confiança e de Expectativas nas regiões metropolitanas de Lisboa, do Porto e do Algarve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.