Lisboa e Algarve. Preço das casas deve subir de forma "mais acentuada"

A procura no mercado de compra e venda continua a superar a oferta

O preço das casas continua a aumentar em Portugal, prevendo-se que a subida "mais acentuada", ao longo deste ano, se verifique em Lisboa e no Algarve, segundo o mais recente inquérito 'Portuguese Housing Market Survey' (PHMS), hoje divulgado.

Com base nas respostas de 150 inquiridos de empresas do setor imobiliário, as projeções para este ano apontam para "um aumento do preço da habitação de cerca de 4%" nas regiões de Lisboa e do Algarve, enquanto "na região do Porto se antevê um crescimento mais lento".

De acordo com o inquérito PHMS, realizado em janeiro, registou-se "uma nova aceleração na subida dos preços das casas a nível nacional" e verificou-se que "a procura no mercado de compra e venda continua a superar a oferta".

Apesar de a procura ser superior, a oferta recuperou ligeiramente no mês de janeiro, "com as novas angariações de fogos para a venda a aumentarem marginalmente pela primeira vez em seis meses".

"As vendas acordadas registaram em janeiro um forte aumento em todas as regiões cobertas pelo PHMS (Lisboa, Porto e Algarve) e, com a procura a manter-se superior à oferta, os preços das casas continuam em ritmo ascendente", revelou o inquérito.

À semelhança do que se verifica com o mercado de compra e venda de casa, a oferta no mercado de arrendamento "continua pouco dinâmica, em contraste com a procura por parte de arrendatários, que continua a subir de forma robusta", apurou o inquérito aos empresários do imobiliário, indicando que "esta é uma tendência que se tem vindo a verificar, em grande parte dos últimos dois anos, o que tem levado a que as rendas se mantenham firmemente em trajetória ascendente".

Segundo o diretor da empresa de informação Confidencial Imobiliário, Ricardo Guimarães, a principal dificuldade mencionada pelos inquiridos é "a escassez de casas, tanto para vender como para arrendar, mas principalmente para vender, observando-se um abrandamento na procura para arrendar".

"As condições de mercado encontram-se claramente favoráveis à dinâmica imobiliária e as expectativas apontam para que os preços e a procura continuem a crescer em 2017", afirmou, em comunicado, Ricardo Guimarães.

Para o economista do Royal Institution of Chartered Surveyors (RICS) Simon Rubinsohn, os resultados do PHMS de janeiro confirmam que "o crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] em Portugal ultrapassou a média da zona euro pelo segundo trimestre consecutivo no quarto trimestre de 2016".

"A segunda metade de 2016 registou o maior crescimento económico semestral desde 2010. Não obstante, como um todo, a economia permanece 4% abaixo de 2008 e será necessário uma melhoria sustentada para continuar a apoiar o mercado imobiliário", defendeu o economista do RICS.

O PHMS é um inquérito mensal realizado em parceria entre a Confidencial Imobiliário e o RICS, para publicação de um Índice de Confiança e de Expectativas nas regiões metropolitanas de Lisboa, do Porto e do Algarve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".