Linha de financiamento para Angola reforçada em 500 milhões

Esta nova dotação é anunciada num momento em que o primeiro-ministro vai a Angola para uma visita de 48 horas

Ficou praticamente esgotada a meio do ano e o Governo vai agora reforçar a linha de financiamento a empresas portuguesas em Angola. Os 1.000 milhões de euros que estavam disponíveis foram absorvidos e DN/Dinheiro Vivo sabe que no próximo ano o envelope financeiro terá um aumento de 500 milhões, para um total de 1,5 mil milhões. Na entrevista ao Diário de Notícias, o primeiro-ministro referiu-se ao alargamento das linhas de crédito a Angola, mas sem referir números.

Na entrevista ao DN, o primeiro-ministro referiu-se ao alargamento das linhas de crédito a Angola, mas sem referir números.

Em causa está a Linha de Crédito Angola Portugal, com recurso ao seguro do crédito à exportação da Companhia de Seguro de Créditos (COSEC), emitida com garantia do Estado português. Este mecanismo de apoio foi criado no âmbito das medidas destinadas a minimizar os efeitos da crise económica e financeira de 2008/09 em Portugal e apoiar a internacionalização.

As negociações entre os dois governos para o aumento da dotação da linha ficaram fechadas a tempo da visita do Primeiro-Ministro português, António Costa, nos dias 17 e 18 de setembro. Já em julho, quando o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias se deslocou a Luanda, a questão do reforço desta linha tinha sido discutida. Mas o governante lembrou que o aumento da dotação deveria estar integrado numa solução mais vasta nomeadamente com o fim da Dupla Tributação matéria que, entretanto, também ficou fechada, estando marcada para terça-feira, na capital angolana, a assinatura da convenção entre os dois países.

Leia mais em Dinheiro Vivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.