Juros para compra de casa descem para metade em três anos

A taxa de juro dos novos empréstimos à habitação atingiu um mínimo histórico. A agência de rating DBRS elogia medidas do Banco de Portugal para prevenir excessos no crédito

Nunca foi tão barato pedir crédito à habitação. O preço cobrado pelos bancos para concederem empréstimos voltou a cair em janeiro. Está num novo mínimo histórico. A taxa de juro das novas operações é menos de metade do que em dezembro de 2014. Além das Euribor em valores negativos, essa redução reflete também as descidas dos spreads feitas pelos bancos, numa fase de maior concorrência na concessão de crédito. E isso tem-se traduzido numa aceleração dos novos empréstimos.

Em janeiro, a taxa de juro média dos novos créditos à habitação foi de 1,47%, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal, o valor mais baixo desde o início da série estatística do supervisor, que remonta a janeiro de 2013. Em pouco mais de três anos, o custo de contratar um novo crédito à habitação caiu em mais de metade. Em dezembro de 2014, a taxa de juro dos novos empréstimos era de 3%. Em 2008, o custo tinha chegado a superar os 5,7%, altura em que as Euribor estavam em máximos. Atualmente, estas taxas estão em valores negativos. Mas o mercado estima que já tenham batido no fundo e que regressem a valores positivos em 2019, o que terá reflexos nas prestações do crédito.

Já do lado dos spreads antecipam-se mais descidas. No último inquérito ao setor bancário do Banco de Portugal, divulgado em janeiro, o supervisor constatava que havia bancos a indicar que "as pressões exercidas pela concorrência contribuíram ligeiramente para uma menor restritividade dos termos e condições aplicados, designadamente para reduzir ligeiramente os spreads dos empréstimos de risco médio". Desde o início do ano, entidades como a CGD, o Crédito Agrícola e o EuroBic já anunciaram, segundo o Jornal de Negócios e o Eco, descidas nas margens cobradas.

Esta maior disponibilidade dos bancos para darem crédito permitiu que os novos empréstimos acelerassem. E também existem sinais de um maior apetite dos portugueses para pedir crédito à habitação. "Entre os fatores que contribuíram para o aumento da procura, os bancos destacaram a melhoria da confiança dos consumidores", observa o Banco de Portugal.

Com a oferta dos bancos a coincidir com a procura dos clientes em janeiro, o montante das novas operações foi de 634 milhões de euros. Ou seja, mais de 20 milhões por dia. Apesar de ter representado uma diminuição face aos últimos meses de 2017, comparando com arranques de ano anteriores, a torneira está muito mais aberta. Desde 2010 que não havia tanto crédito concedido no primeiro mês do ano. Nessa altura, os bancos emprestaram 771 milhões de euros. Em janeiro de 2017, o montante tinha sido de 553 milhões de euros.

A tendência de crescimento do novo crédito, não só à habitação mas também ao consumo, levou o Banco de Portugal a anunciar limitações que os bancos deverão seguir na hora de conceder crédito. Essas recomendações começam a ser aplicadas em julho deste ano e tentam limitar a proporção do rendimento das famílias que possa ser destinado para fazer face aos juros do crédito, por exemplo. Para a DBRS, as diretrizes impostas pelo supervisor são "positivas" já que atenuam eventuais riscos para a estabilidade financeira (ver entrevista).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.