Juros para compra de casa descem para metade em três anos

A taxa de juro dos novos empréstimos à habitação atingiu um mínimo histórico. A agência de rating DBRS elogia medidas do Banco de Portugal para prevenir excessos no crédito

Nunca foi tão barato pedir crédito à habitação. O preço cobrado pelos bancos para concederem empréstimos voltou a cair em janeiro. Está num novo mínimo histórico. A taxa de juro das novas operações é menos de metade do que em dezembro de 2014. Além das Euribor em valores negativos, essa redução reflete também as descidas dos spreads feitas pelos bancos, numa fase de maior concorrência na concessão de crédito. E isso tem-se traduzido numa aceleração dos novos empréstimos.

Em janeiro, a taxa de juro média dos novos créditos à habitação foi de 1,47%, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal, o valor mais baixo desde o início da série estatística do supervisor, que remonta a janeiro de 2013. Em pouco mais de três anos, o custo de contratar um novo crédito à habitação caiu em mais de metade. Em dezembro de 2014, a taxa de juro dos novos empréstimos era de 3%. Em 2008, o custo tinha chegado a superar os 5,7%, altura em que as Euribor estavam em máximos. Atualmente, estas taxas estão em valores negativos. Mas o mercado estima que já tenham batido no fundo e que regressem a valores positivos em 2019, o que terá reflexos nas prestações do crédito.

Já do lado dos spreads antecipam-se mais descidas. No último inquérito ao setor bancário do Banco de Portugal, divulgado em janeiro, o supervisor constatava que havia bancos a indicar que "as pressões exercidas pela concorrência contribuíram ligeiramente para uma menor restritividade dos termos e condições aplicados, designadamente para reduzir ligeiramente os spreads dos empréstimos de risco médio". Desde o início do ano, entidades como a CGD, o Crédito Agrícola e o EuroBic já anunciaram, segundo o Jornal de Negócios e o Eco, descidas nas margens cobradas.

Esta maior disponibilidade dos bancos para darem crédito permitiu que os novos empréstimos acelerassem. E também existem sinais de um maior apetite dos portugueses para pedir crédito à habitação. "Entre os fatores que contribuíram para o aumento da procura, os bancos destacaram a melhoria da confiança dos consumidores", observa o Banco de Portugal.

Com a oferta dos bancos a coincidir com a procura dos clientes em janeiro, o montante das novas operações foi de 634 milhões de euros. Ou seja, mais de 20 milhões por dia. Apesar de ter representado uma diminuição face aos últimos meses de 2017, comparando com arranques de ano anteriores, a torneira está muito mais aberta. Desde 2010 que não havia tanto crédito concedido no primeiro mês do ano. Nessa altura, os bancos emprestaram 771 milhões de euros. Em janeiro de 2017, o montante tinha sido de 553 milhões de euros.

A tendência de crescimento do novo crédito, não só à habitação mas também ao consumo, levou o Banco de Portugal a anunciar limitações que os bancos deverão seguir na hora de conceder crédito. Essas recomendações começam a ser aplicadas em julho deste ano e tentam limitar a proporção do rendimento das famílias que possa ser destinado para fazer face aos juros do crédito, por exemplo. Para a DBRS, as diretrizes impostas pelo supervisor são "positivas" já que atenuam eventuais riscos para a estabilidade financeira (ver entrevista).

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.