Juros da dívida de Portugal a cair a dois, cinco e dez anos

Os juros da dívida portuguesa estão a descer a dois, cinco e dez anos face a quarta-feira

Os juros da dívida portuguesa desceram esta quinta-feira a dois, cinco e dez anos face a quarta-feira, alinhados com os de Itália e Espanha.

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a descer para 1,778%, contra 1,795% na quarta-feira e o mínimo desde 16 de março de 2015, de 1,596%, em 30 de março deste ano.

Os juros a cinco anos também estavam a recuar, para 0,606%, contra 0,623% na quarta-feira e depois de terem descido em 29 de março para o mínimo de sempre de 0,251%.

No mesmo sentido, no prazo de dois anos, os juros caíam para -0,164%, contra -0,145% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de -0,401%, em 05 de dezembro de 2017.

Os juros da Irlanda recuavam em todos os prazos e os da Grécia desciam a cinco anos e subiam a 10 anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:30:

2 anos...5 anos...10 anos

Portugal

17/05......-0,164....0,606......1,778

16/05......-0,145....0,623......1,795

Grécia

17/05.......n.disp...3,392......4,339

16/05.......n.disp...3,396......4,335

Irlanda

17/05......-0,454....0,088......1,049

16/05......-0,461....0,068......1,019

Itália

17/05.......0,025....0,901......2,093

16/05.......0,074....0,933......2,112

Espanha

17/05......-0,320....0,273......1,394

16/05......-0,313....0,286......1,405

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.