Juros da dívida de Portugal a cair a dois, cinco e dez anos

Os juros da dívida portuguesa estão a descer a dois, cinco e dez anos face a quarta-feira

Os juros da dívida portuguesa desceram esta quinta-feira a dois, cinco e dez anos face a quarta-feira, alinhados com os de Itália e Espanha.

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a descer para 1,778%, contra 1,795% na quarta-feira e o mínimo desde 16 de março de 2015, de 1,596%, em 30 de março deste ano.

Os juros a cinco anos também estavam a recuar, para 0,606%, contra 0,623% na quarta-feira e depois de terem descido em 29 de março para o mínimo de sempre de 0,251%.

No mesmo sentido, no prazo de dois anos, os juros caíam para -0,164%, contra -0,145% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de -0,401%, em 05 de dezembro de 2017.

Os juros da Irlanda recuavam em todos os prazos e os da Grécia desciam a cinco anos e subiam a 10 anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:30:

2 anos...5 anos...10 anos

Portugal

17/05......-0,164....0,606......1,778

16/05......-0,145....0,623......1,795

Grécia

17/05.......n.disp...3,392......4,339

16/05.......n.disp...3,396......4,335

Irlanda

17/05......-0,454....0,088......1,049

16/05......-0,461....0,068......1,019

Itália

17/05.......0,025....0,901......2,093

16/05.......0,074....0,933......2,112

Espanha

17/05......-0,320....0,273......1,394

16/05......-0,313....0,286......1,405

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".