John Pearson. “O meu trabalho é estar preparado para um hard brexit”

O CEO da DHL Express diz que a empresa de correio de encomendas está a estudar todos os cenários da saída do Reino Unido da UE

John Pearson mostra-se otimista com o atual clima do comércio internacional apesar do conflito entre a China e os Estados Unidos ou o brexit. O CEO da DHL Express falou com o Dinheiro Vivo em Amesterdão, na apresentação do estudo anual sobre a conectividade dos países.
A guerra comercial entre a China e os EUA, o brexit são obstáculos ao comércio internacional. Qual o impacto na operação?
A nossa rota de tráfego entre os EUA e a China ainda é muito forte, talvez porque as pessoas receiem um aumento dos impostos e querem fazer chegar já os produtos. Não estamos a ver demasiado impacto. Por cada disputa comercial há uma nova oportunidade. O Trade Facilitation Agreement, da World Trade Organization (2017), retirou a burocracia para quem quer exportar, a parceria comercial entre o Japão e a Europa está em marcha. Há coisas positivas e há outras, com elevado perfil, como o tema China-EUA e o brexit. O referendo foi nesse sentido, precisamos de ver como termina. Há barricadas, mas há muita autoestrada livre, o que significa que ainda pode progredir.
Não acredita num hard brexit?
O meu trabalho é estar preparado para um hard brexit, para não haver um acordo. Se acontecer, temos de ter as contingências implementadas: rodoviárias, aviação, alfandegárias. A minha esperança é de que se chegue a acordo ou que haja um adiamento e todos teremos mais tempo. Somos uma grande organização, estamos numa boa posição para responder: se tivermos de contratar cem agentes alfandegários no Reino Unido podemos fazer isso e iremos fazê-lo.
Muitos portugueses compram em websites britânicos. A procura não poderá cair com as taxas alfandegárias?
Temos de perceber como será a movimentação das pessoas e dos bens. Sou otimista. Em certos valores, esse tipo de restrições não irão impactar o comércio. O Reino Unido é o maior parceiro comercial da Europa, é um jogo de apostas elevadas. O nosso trabalho é estar preparado.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.