IVA vai ser alterado para empresas 

O IVA vai ser alterado na proposta de Orçamento do Estado para 2017 para reduzir custos das empresas que não se traduzem em receitas fiscais, confirmou hoje o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade.

Recusando antecipar as alterações específicas previstas, que serão apresentadas em outubro, o governante disse que a alteração ao IVA é " uma prioridade" do Governo" e que vai constar já do próximo orçamento um "alívio" dos custos que os impostos representam para as empresas e que não se traduzem em receita fiscal.

"Quando as empresas, por causa dos impostos, têm de cumprir mais um dever que custa horas de trabalho, constituir garantias, recorrer ao crédito, tudo isso são custos adicionais do funcionamento da economia que não se traduzem em receitas fiscais", explicou o governante, que falava na Conferência comemorativa dos 30 anos do IVA em Portugal, hoje em Lisboa.

Fernando Rocha Andrade afirmou que na próxima proposta de orçamento vão ser identificados alguns desses custos e defendeu que o Governo está "em condições de explorar" essa via de redução de custos.

Escusando ser específico no tipo de custos empresariais abrangidos pela reforma do IVA, por não querer antecipar as medidas que constam da proposta de OE2017, referiu apenas que estão abrangidos procedimentos burocráticos, ou deveres acessórios.

"Estamos a falar de deveres acessórios, por um lado, e por outro sobre os momentos em que o imposto é pago para aliviar a necessidade das empresas de constituírem garantias ou terem de antecipar imposto relativo a receitas que ainda não receberam", afirmou.

O governante recusou ainda comentar notícias sobre alegadas medidas fiscais que constam do OE2017 e que foram anunciadas pela imprensa nos últimos dias: "Como compreende, não posso confirmar, uma a uma, as dezenas de notícias que têm saído", disse.

A conferência comemorativa dos 30 anos do IVA em Portugal foi organizada pelo IDEFF - Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal e AFP - Associação Fiscal Portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.