Isabel dos Santos: "O presidente da Sonangol é um mentiroso"

Na primeira entrevista a um jornal português, a empresária angolana admite que não esperava ser logo exonerada pelo presidente de Angola, João Lourenço. Fala das denúncias feitas pelo atual presidente da petrolífera, Carlos Saturnino, à sua gestão na Sonangol. "É um mentiroso", acusa

A empresária angolana Isabel dos Santos vai apresentar uma queixa-crime contra o presidente da Sonangol, Carlos Saturnino, pelas "afirmações e alegações difamatórias" quanto à gestão da empresa petrolífera angolana.

Em entrevista ao jornal Negócios, a ex-presidente do conselho de administração da Sonangol classificou de "normal" o facto da Procuradoria-Geral da República de Angola, ter aberto um inquérito, na sequência das denúncias à sua gestão na petrolífera.

As declarações de Isabel dos Santos surgem na sequência das acusações feitas pelo seu sucessor, Carlos Saturnino, na conferência de imprensa realizada a 28 de fevereiro sobre o estado atual da Sonangol, no âmbito dos 42 anos de existência da companhia.

Nessa conferência de imprensa, Carlos Saturnino acusou a antiga administração de ter realizado uma transferência de 38 milhões de dólares já após ter sido exonerada, denúncia que já levou a Procuradoria-Geral da República a abrir um inquérito.

"Fiquei muito dececionada com a conferência de imprensa. Estava à espera que falasse do futuro da Sonangol e dos resultados que se tinha conseguido atingir para, no fundo, perceber as soluções, mas em vez disso lançou-se num ataque direto ao antigo conselho de administração e à minha pessoa em particular. Vou apresentar uma queixa-crime. Estou neste momento a trabalhar com advogados nesse sentido e apresentarei essa queixa em função das afirmações e alegações que foram feitas. São difamatórias. Sem dúvida", disse.

Na entrevista ao económico, Isabel dos Santos diz que as acusações de Carlos Saturnino são "completamente infundadas" e disse estar "confortável" com o inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República de Angola.

"Estou completamente confortável com o procedimento em si. Acho que é bem-vindo. Agora, foi com muito espanto que acompanhei as declarações feitas na conferência de imprensa. As palavras do presidente do conselho de administração atual, Carlos Saturnino, para mim, foram chocantes. Faltaram imenso à verdade", salientou.

Isabel dos Santos diz que não esperava ser logo exonerada pelo Presidente de Angola, João Lourenço, salientando que "há uma campanha política forte contra o governo anterior"

De acordo com a empresária angolana, as palavras de Carlos Saturnino "faltaram à verdade de forma completa e total", salientando que os factos "são simples e facilmente verificáveis". "É um mentiroso", acusou a filha do antigo presidente de Angola, José Eduardo dos Santos.

"Uma das afirmações era a de que poderiam existir instruções que teriam ocorrido após a minha cessão de funções como presidente da Sonangol. Isso é falso. Não houve da minha parte nem de qualquer outro membro do conselho de administração alguma que tenha sido dada após a nossa cessão de funções e não houve qualquer pagamento vindo do nosso lado. Isto é uma informação falsa e tendenciosa de Carlos Saturnino que visa apenas confundir a opinião pública e denegrir o meu bom nome", disse.

Na entrevista ao Negócios, Isabel dos Santos diz que não esperava ser logo exonerada pelo Presidente de Angola, João Lourenço, salientando que "há uma campanha política forte contra o governo anterior".

Isabel dos Santos considerou que os "ataques à sua gestão na Sonangol visam, em última instância, demonstrar que as decisões tomadas pelo Executivo anterior, liderado pelo seu pai, José Eduardo dos Santos, 'foram erradas'".

A empresária considera que as notícias menos positivas envolvendo o seu nome refletem nos seus negócios " de uma forma negativa". "O propósito dessa campanha é exatamente esse, o de atingir a minha reputação. Sou empresária, tenho vários investimentos e a minha reputação é o meu capital. Esta campanha tem o objetivo de me afetar pessoalmente e também os meus negócios", considerou.

Gosto muito de Portugal, é um país que descobri relativamente tarde. Vim para cá como visitante e gostei. Tenho parceiros em quem confio e gostaria de continuar a investir em Portugal

Isabel dos Santos foi presidente do conselho de administração da Sonangol entre junho de 2016 e novembro de 2017, até ser exonerada pelo novo Presidente da República, João Lourenço, que colocou Carlos Saturnino na liderança da petrolífera.

A empresária angolana disse ainda na entrevista ao Negócios que quer continuar a investir em Portugal. "Gosto muito de Portugal, é um país que descobri relativamente tarde. Vim para cá como visitante e gostei. Tenho parceiros em quem confio e gostaria de continuar a investir em Portugal".

Na entrevista, Isabel dos Santos adiantou que "gostava que a Efacec fosse líder na mobilidade elétrica".

A empresária já fechou o capítulo do BPI, de onde saiu depois de um braço-de-ferro com o Caixabank e diz que tem uma "parceria sólida" com aquele banco em Angola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.