Isabel dos Santos transferiu milhões de conta que foi congelada sete horas depois

Disputa entre acionistas da operadora Unitel motivou ordem judicial de congelamento mundial dos bens de empresa da empresária angolana.

A empresária angolana Isabel dos Santos transferiu 238 milhões de euros de uma conta da empresa Vidatel horas antes da ordem judicial para o cancelamento dos bens da companhia, noticia o Público.

O caso, explica o jornal na sua edição desta quarta-feira, ocorreu em outubro de 2015 e foi mais um dos episódios da disputa entre os acionistas da operadora angolana Unitel, onde Isabel dos Santos controla 25% do capital através da Vidatel.

A transferência daquela verba para contas pessoais de Isabel dos Santos foi ordenada uma semana antes, pelo que o Supremo Tribunal das Caraíbas Orientais - sedeado nas Ilhas Virgens Britânicas - acabou por reconhecer que não houve desrespeito por parte da Vidatel da ordem judicial de congelamento dos seus bens.

A ordem judicial tinha sido ordenada a pedido da brasileira Oi, também com 25% da Unitel, como medida cautelar até à conclusão de um processo arbitral no litígio com os parceiros angolanos daquela operadora de telecomunicações.

Esta empresa disse ao Público que "nenhuma transação financeira ilegítima ou ilegal foi realizada pela Unitel ou por Isabel dos Santos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.