Isabel dos Santos transferiu milhões de conta que foi congelada sete horas depois

Disputa entre acionistas da operadora Unitel motivou ordem judicial de congelamento mundial dos bens de empresa da empresária angolana.

A empresária angolana Isabel dos Santos transferiu 238 milhões de euros de uma conta da empresa Vidatel horas antes da ordem judicial para o cancelamento dos bens da companhia, noticia o Público.

O caso, explica o jornal na sua edição desta quarta-feira, ocorreu em outubro de 2015 e foi mais um dos episódios da disputa entre os acionistas da operadora angolana Unitel, onde Isabel dos Santos controla 25% do capital através da Vidatel.

A transferência daquela verba para contas pessoais de Isabel dos Santos foi ordenada uma semana antes, pelo que o Supremo Tribunal das Caraíbas Orientais - sedeado nas Ilhas Virgens Britânicas - acabou por reconhecer que não houve desrespeito por parte da Vidatel da ordem judicial de congelamento dos seus bens.

A ordem judicial tinha sido ordenada a pedido da brasileira Oi, também com 25% da Unitel, como medida cautelar até à conclusão de um processo arbitral no litígio com os parceiros angolanos daquela operadora de telecomunicações.

Esta empresa disse ao Público que "nenhuma transação financeira ilegítima ou ilegal foi realizada pela Unitel ou por Isabel dos Santos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.