Isabel dos Santos sai da administração da NOS, BIC e Efacec

Empresária foi indicada para chairman da Sonangol e deixa os cargos de administração nas empresas portuguesas

Isabel dos Santos, que hoje tomou posse como presidente do conselho de administração da petrolífera angolana Sonangol, a maior empresa do país, acaba de renunciar, com efeitos imediatos, aos cargos na gestão de empresas portuguesas que controla. "Reforçar as garantias de transparência no desempenho das novas funções" e "evitar problemas de conflito de interesse" são os motivos invocados pela empresária angolana.

Em declarações enviadas ao DN, Isabel dos Santos explica que já comunicou aos presidentes dos conselhos de administração da operadora NOS, do Banco BIC e da Efacec a sua renúncia aos cargos de administração nelas assumidos, com efeitos ao final do mês de julho ou ainda antes, se até lá for indicado um substituto para o cargo.

"A renúncia imediata aos cargos de administradora das sociedades que conduzem os seus principais investimentos em Portugal resulta apenas da nomeação como presidente do conselho de administração da Sonangol", esclarece a empresária.

Nomeada na quinta-feira para o cargo na petrolífera pelo pai, o Presidente angolano José Eduardo dos Santos, Isabel dos Santos tomou posse esta tarde em Luanda, cerca de 10 minutos antes das 17.00, relata a Lusa, na presença dos ministros dos Petróleos, Botelho de Vasconcelos, e das Finanças, Armando Manuel, entre outros membros do governo. Além da empresária, tomaram posse Paulino Jerónimo como CEO e a sua nova equipa executiva, composta por César Paxi Manuel João Pedro, Eunice Paula Figueiredo Carvalho, Edson de Brito Rodrigues dos Santos, Manuel Luís Carvalho de Lemos, João Pedro de Freitas Saraiva dos Santos e Jorge de Abreu. Entraram ainda, como administradores não executivos, José Gime, André Lelo e Sarju Raikundalia.

Um grupo de 12 juristas angolanos anunciou que vai avançar com uma providência cautelar esta semana para suspender a nomeação de Isabel dos Santos para chairman, defendendo que o presidente angolano "violou a lei da Probidade Pública". Uma pretensão que outros juristas garantem que não tem enquadramento legal, pelo que não poderá ter efeitos, escreve a Lusa. O líder do maior partido da oposição, a UNITA, também quer levar a nomeação a discussão no Parlamento.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.