Isabel dos Santos sai da administração da NOS, BIC e Efacec

Empresária foi indicada para chairman da Sonangol e deixa os cargos de administração nas empresas portuguesas

Isabel dos Santos, que hoje tomou posse como presidente do conselho de administração da petrolífera angolana Sonangol, a maior empresa do país, acaba de renunciar, com efeitos imediatos, aos cargos na gestão de empresas portuguesas que controla. "Reforçar as garantias de transparência no desempenho das novas funções" e "evitar problemas de conflito de interesse" são os motivos invocados pela empresária angolana.

Em declarações enviadas ao DN, Isabel dos Santos explica que já comunicou aos presidentes dos conselhos de administração da operadora NOS, do Banco BIC e da Efacec a sua renúncia aos cargos de administração nelas assumidos, com efeitos ao final do mês de julho ou ainda antes, se até lá for indicado um substituto para o cargo.

"A renúncia imediata aos cargos de administradora das sociedades que conduzem os seus principais investimentos em Portugal resulta apenas da nomeação como presidente do conselho de administração da Sonangol", esclarece a empresária.

Nomeada na quinta-feira para o cargo na petrolífera pelo pai, o Presidente angolano José Eduardo dos Santos, Isabel dos Santos tomou posse esta tarde em Luanda, cerca de 10 minutos antes das 17.00, relata a Lusa, na presença dos ministros dos Petróleos, Botelho de Vasconcelos, e das Finanças, Armando Manuel, entre outros membros do governo. Além da empresária, tomaram posse Paulino Jerónimo como CEO e a sua nova equipa executiva, composta por César Paxi Manuel João Pedro, Eunice Paula Figueiredo Carvalho, Edson de Brito Rodrigues dos Santos, Manuel Luís Carvalho de Lemos, João Pedro de Freitas Saraiva dos Santos e Jorge de Abreu. Entraram ainda, como administradores não executivos, José Gime, André Lelo e Sarju Raikundalia.

Um grupo de 12 juristas angolanos anunciou que vai avançar com uma providência cautelar esta semana para suspender a nomeação de Isabel dos Santos para chairman, defendendo que o presidente angolano "violou a lei da Probidade Pública". Uma pretensão que outros juristas garantem que não tem enquadramento legal, pelo que não poderá ter efeitos, escreve a Lusa. O líder do maior partido da oposição, a UNITA, também quer levar a nomeação a discussão no Parlamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.