Investimento captado através dos vistos gold chega aos 89,3 milhões de euros

O investimento captado mais que duplicou (131%) em fevereiro, face a janeiro.

O investimento captado através dos vistos 'gold' mais que duplicou (131%) em fevereiro, face a janeiro, para 89,3 milhões de euros, de acordo com dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

No mês passado foram atribuídas 144 Autorizações de Residência para a atividade de Investimento (ARI), 136 concedidas pela compra de imóveis e oito pela transferência de capital, mas nenhuma mediante as novas regras que entraram em vigor em setembro do ano passado.

Do total de investimento angariado em vistos dourados em fevereiro (89.301.186,43 euros), 91% do montante (81.203.431,52 euros) continua a corresponder à compra de imóveis, com a transferência de capital a totalizar 8.097.754,91 euros.

Em janeiro, o investimento captado tinha sido de 38.574.620,34 euros, dos quais 35,8 milhões de euros resultantes da compra de imóveis e 2,7 milhões de euros relativos à transferência de capital.

No primeiro mês do ano, foi concedido um visto 'gold' pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

Em termos acumulados, nos dois primeiros meses do ano, o investimento em ARI ascendeu a 127.875.806,77 euros, sendo a maioria (117.057.146,02 euros) relativa à compra de bens imóveis, com a transferência de capital a totalizar 10.818.660,75 euros.

Em janeiro e fevereiro foram atribuídos 209 vistos 'gold', 198 para a compra de imóveis, 10 por transferência de capital e um pela criação de postos de trabalho.

Por nacionalidades, foram atribuídos 143 ARI a chineses, 18 a brasileiros, sete a russos, dois a sul africanos e outros dois a libaneses nos dois primeiros meses do ano.

Desde que os vistos 'gold' entraram em vigor - 08 de outubro de 2012 - até final de fevereiro, foram atribuídos 2.997 ARI: dois em 2012; 494 em 2013; 1.526 em 2014; 766 em 2015 e 209 até ao mês passado.

Em termos de investimento total acumulado desde 2012, este ascendia a 1,8 mil milhões de euros, dos quais a maior parte - 1,6 mil milhões de euros - correspondia à compra de bens imóveis e 176,2 milhões de euros à transferência de capital.

A China lidera a lista de ARI atribuídas (2.345 até fevereiro), seguida do Brasil (123), Rússia (104), África do Sul (77) e Líbano (46).

No total acumulado, de acordo com dados do SEF, foram atribuídos 2.833 vistos 'gold' pelo requisito da aquisição de bens imóveis, 159 pela transferência de capital, cinco pela criação de emprego e nenhum segundo as novas regras.

As novas medidas­, que alargam o investimento de estrangeiros a áreas como a reabilitação urbana ou ciência, entre outras, entraram em vigor a 03 de setembro de 2015, embora até à data não seja conhecida a atribuição de vistos dourados segundo estas regras.

No ano passado, o investimento resultante dos vistos 'gold' caiu para metade, face a 2014, para cerca de 466 milhões de euros.

Relativamente a autorizações de residência a familiares reagrupados, estas totalizavam 316 este ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.