Inflação acelera para 1,8% na zona euro e 1,7% na UE

O gabinete oficial de estatísticas da UE aponta que a subida dos preços da zona euro se deveu sobretudo a aumentos nos combustíveis para transportes

A taxa de inflação homóloga na zona euro foi de 1,8% em janeiro, face a 1,1% em dezembro, e na UE subiu de 1,2% para 1,7%, divulgou hoje o Eurostat.

Na comparação com a taxa de inflação registada um ano antes, a subida foi ainda mais vincada, já que em janeiro de 2016 esta fixava-se nos 0,3%, tanto no espaço da moeda única como no conjunto da União a 28.

Em Portugal, os preços homólogos subiram para 1,3% em janeiro - face a 0,9% em dezembro (e 0,7% em janeiro de 2016) -, ainda assim a sexta taxa mais baixa na zona euro no primeiro mês deste ano.

O gabinete oficial de estatísticas da UE aponta que a subida dos preços da zona euro se deveu sobretudo a aumentos nos combustíveis para transportes (0,50 pontos percentuais).

Em janeiro, as taxas de inflação mais elevadas foram registadas na Bélgica (3,1%), Letónia e Espanha (ambas com 2,9%), enquanto Irlanda (0,2%), Roménia (0,3%) e Bulgária (0,4%) tiveram as mais baixas.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.