Fisco deteta 884 milhões de euros de impostos em falta em 2017

No ano passado, a grande maioria (72%) do imposto em falta verificou-se no IVA

A inspeção tributária detetou 884 milhões de euros de impostos em falta no ano passado, mais 60 milhões do que em 2016, dos quais a grande maioria no IVA, segundo um relatório do Fisco entregue ao parlamento.

De acordo com o relatório 'Combate à Fraude e Evasões Fiscais e Aduaneiras', a inspeção do Fisco detetou 884 milhões de euros de impostos em falta, mais 7,3% do que no ano anterior, quando foram encontrados 824 milhões de euros em falta.

A tendência do aumento do imposto em falta já se tinha verificado também em 2016, quando houve uma subida de 7,5% face a 2015, de 766 milhões de euros para 824 milhões de euros.

No ano passado, foram emitidas, com base em correções efetuadas pela Inspeção Tributária 35.803 notas de cobrança no valor de 846 milhões de euros em IVA, IRC e IRS

Em 2017, a grande maioria (72%) do imposto em falta verificou-se no Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), seguindo-se os impostos sobre o rendimento de pessoas coletivas (IRC) e singulares (IRS), representando 15% e 5% do total, respetivamente.

No ano passado, foram emitidas, com base em correções efetuadas pela Inspeção Tributária 35.803 notas de cobrança no valor de 846 milhões de euros em IVA, IRC e IRS.

Destaque para o IVA, com 30.342 notas de cobrança e 413 milhões de euros, seguindo-se o IRC e o IRS, com 2.970 notas de cobrança no valor de 337 milhões de euros e 2.491 notas de cobrança e 96 milhões de euros, respetivamente.

No que diz respeito à Unidade de Grandes Contribuintes, foi atingido um volume de correções de aproximadamente 510 milhões de euros, o que representa um aumento de cerca de 8% face ao ano de 2016

No total, a Inspeção Tributária e Aduaneira efetuou correções inspetivas tributárias no valor de 1.731,5 milhões de euros e aumentou o número total de ações de 82.731 em 2016 para 114.759 em 2017 (mais 38,7%).

No que diz respeito à Unidade de Grandes Contribuintes (UGC), foram realizados 407 procedimentos de controlo às empresas integradas no cadastro dos grandes contribuintes, tendo atingindo um volume de correções de aproximadamente 510 milhões de euros, o que representa um aumento de cerca de 8% face ao ano de 2016.

"De igual modo, ao abrigo do regime dos preços de transferência, foram efetuados ajustamentos ao lucro tributável que ascenderam a cerca de 66 milhões de euros, que representa um aumento de 20% face ao ano anterior", refere o relatório, acrescentando que entre as várias situações identificadas, aproximadamente 40% foram regularizadas voluntariamente pelos contribuintes, a que corresponde mais de 15% do valor global ajustado.

A Inspeção Tributária entende que o arrendamento de curta duração é um "setor de risco elevado", sobretudo devido à reserva de estadias com recurso a 'websites' internacionais, e analisou "mais de 1.000 prestadores de serviços identificados".

"Deste universo, atendendo à relevância das divergências detetadas, foram notificados 38 sujeitos passivos, tendo resultado a regularização voluntária por parte de 73% destes, o que se traduziu na recuperação de 77% dos valores dos rendimentos omitidos, de cerca de um milhão de euros, e correspondente IVA", segundo o Fisco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.