IKEA alerta clientes que compraram placa de fogão para contactarem empresa

O modelo em causa é o ELDSLÅGA. O problema está no bico do canto superior direito

Uma falha no injetor de um dos bicos de uma placa de fogão vendida pelo Ikea levou o grupo sueco a pedir aos clientes que tenham comprado o produto antes de 01 de janeiro deste ano a agendarem uma visita técnica de reparação.

Segundo a empresa sueca, foi instalado um "injetor inadequado num dos bicos da placa" ELDSLÅGA, que resulta na emissão de níveis de monóxido de carbono acima dos requisitos da União Europeia.

Até contactarem a empresa para que esta proceda à reparação gratuita, os clientes com esta placa devem "suspender a utilização do bico do canto superior direito", aconselha a IKEA. A utilização dos restantes bicos é segura.

A empresa garante que "esta é uma medida de precaução" e que "não tem informação sobre incidentes associados a esta situação e a investigação, conduzida por entidades independentes, demonstra que o risco de efeitos para a saúde é reduzido e que não existe risco elevado de incêndio ou explosão."

Para agendar a reparação técnica, o grupo sueco pede aos clientes que entrem em contacto com o Centro de Apoio ao Cliente, através do número 800 20 30 20, não sendo necessária a apresentação de talão de compra

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.