Hostels em vias de perderem classificação de alojamento local

Secretária de Estado da Habitação defende caducidade de registo em caso de venda ou transmissão do alojamento local e intervenção dos julgados de paz na mediação de conflitos

Os hostels podem deixar de ser considerados alojamento local e passar a ter de pedir uma licença de utilização turística. Esta ideia foi apresentada ontem pela secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, numa audição no grupo de trabalho criado para rever a legislação do alojamento local e que tem por base os projetos apresentados por todos os partidos com representação no Parlamento, exceto o PSD. A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, será ouvida no dia 26.

Este tipo de medida, que abrangeria apenas os novos hostels, visa dar a este tipo de estabelecimentos um tratamento mais próximo daquele que é exigido a unidades hoteleiras. À luz das regras que atualmente vigoram, os hostels estão obrigados a registarem-se como alojamento local, o que é feito (tal como sucede com as pessoas que têm apartamentos ou moradias afetos a esta ativida-de) com uma mera comunicação prévia através do Balcão do Empreendedor, dirigida à Câmara Municipal.

E ainda que tenham requisitos e exigências que não são pedidos aos promotores do AL em apartamentos ou moradias, por exemplo, têm um regime simplificado, se comparado com hotéis ou pensões.

"Se há alguns [estabelecimentos de alojamento local] como os hostels em que o próprio espaço físico onde desenvolvem a atividade não é uma fração habitacional corrente, as cautelas que se devem ter em matéria de segurança, em caso de risco de incêndio, por exemplo, aconselham a que haja um tratamento mais próximo de um empreendimento turístico, nomeadamente que venha a ser requisitada aos novos hostels uma licença de utilização turística", precisou a secretária de Estado da Habitação. Este tipo de tratamento diferenciado dos hostels e o alojamento local em apartamentos e moradias é também defendido na proposta do Bloco de Esquerda.

Ana Pinho levou ainda outras soluções para esta audição, nomeadamente a possibilidade de os registos de atividade do alojamento local caducarem em caso de venda do imóvel ou de transição do capital social da empresa que o promove. O objetivo é que o registo caduque, naquelas situações, sem haver "garantia direta de que o alojamento local, sendo transmitido, possa ser usado para este fim".

Este tipo de medida, ao exigir que o novo dono tenha de pedir um novo registo, dá força a outra solução que tem o acordo do governo e de alguns autarcas, concretamente do presidente da Câmara de Lisboa, e que pretende dar algum poder de intervenção às autarquias na definição de quotas para a instalação de imóveis destinados ao alojamento turístico de curta duração.

Ana Pinho acentuou que seria positivo "dar aos municípios mecanismos que lhes permitam, em caso de haver sobrecarga, fixar quotas", o que será relevante para criar equilibro entre a função turística e a função habitacional.

A revisão da lei do alojamento local tem por base os projetos apresentados pelo PS, PCP, BE, CDS/PP, Verdes e PAN, sendo que a versão final não acolherá a possibilidade de serem os condóminos a decidir pela instalação ou não de um alojamento local no seu prédio. Além do reforço dos poderes das autarquias, Ana Pinho defendeu ainda a intervenção dos julgados de paz em matéria de conflitos que possam surgir na sequência do alojamento local. Esta medida, poderá somar-se a uma maior responsabilização dos proprietários por danos causados pelos hóspedes, podendo ser criado um sistema em que o registo é retirado em caso de situações de perturbação reiterada ou danos.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.