Herdade da Comporta. Estalou o verniz

Esta sexta-feira deverá ser decidido o futuro da Herdade da Comporta. Os ativos despertaram o interesse de três grupo de investidores

Estalou o verniz no processo de compra da Herdade da Comporta. Depois do consórcio constituído por Paula Amorim e pelo milionário francês Claude Berda, que defende ter apresentado uma proposta de 156,489 milhões de euros para a compra dos ativos imobiliários e turísticos da Comporta, ter levantado dúvidas sobre a idoneidade do investidor inglês Mark Holyoake e sobre a proposta apresentada pela herdade, chegou a vez destes prepotentes acusarem Paula Amorim/Claude Berda de "um conjunto de deturpações de fatos e de falsidades".

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.