Hackers russos estão a roubar contas no Instagram

Informações de contacto como email, fotografia e número de telefone estão a ser alteradas. Suspeita-se de hackers russos.

Vários utilizadores do Instagram estão a ser vítimas de ataques de hackers nas suas contas pessoais na rede social. De acordo com os relatos, avançados pela Mashable, várias pessoas afirmam que têm ficado sem acesso às suas contas. Depois de se aperceberam que já não tinham o log in efetuado, ao tentar introduzir os dados de acesso, as testemunhas verificaram que várias informações foram modificadas, nomeadamente o número de telemóvel, o nome de utilizador e o email, que está a ser substituído por um email de domínio russo. As fotografias têm também sido também alteradas para imagens de animação da Disney e da Pixar.

Desta forma, tem sido quase impossível aos utilizadores fazerem o pedido de recuperação das suas contas. Segundo o site que avançou a informação, esta situação está a ser denunciada desde o início da semana e há já várias centenas de pessoas a pedirem ajuda à rede social.

Até agora é desconhecido o motivo do ataque. A Mashable revela que a maioria dos utilizadores afetados não tinha ativada a opção de autenticação de dois fatores, que permite que sempre que é iniciada a sessão no Instagram a partir de um dispositivo desconhecido, é solicitada a introdução de um código de segurança recebido através de SMS. Ainda assim, há utilizadores com esta opção ativada que também estão a ser atacados. A rede social adiantou que está a investigar as queixas e a tomar medidas para resolver a situação.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."