Grupo Kyaia quer investir 4,5 milhões de euros

Maior grupo de calçado nacional está apostado em contrariar a crise no retalho com novas formas de vender, que deverá revelar em março

A Kyaia, o maior grupo português de calçado, está a investir 4,5 milhões de euros, dois dos quais no turismo. Fortunato Frederico está a reabilitar dois prédios que comprou no centro de Guimarães, com o objetivo é alugar os apartamentos. "Não estamos no negócio imobiliário, não fazemos reabilitação para vender. Mas já estamos no turismo, com a Quinta da Eira do Sol, e acreditamos que esta é uma área em que vale a pena apostar porque a experiência que temos é que há procura", adiantou o empresário ao DN/Dinheiro Vivo.

Em termos industriais, Fortunato está a investir 1,5 milhões de euro no projeto de expansão da sua fábrica em Guimarães, com a construção de quatro novos pavilhões, que deverão estar prontos no fim do verão. "O contrato é para estarem prontos em outubro", diz o empresário. O investimento destina-se a aumentar a capacidade produtiva da Kyaia, que pretende, em 2020, estar a faturar 110 milhões de euros. No ano passado, o grupo teve um volume de negócios de 65 milhões de euros (50% dos quais obtidos pela Fly London), um valor sensivelmente idêntico ao do ano anterior, mas em que as vendas da marca caíram 12% só no mercado britânico. Em compensação, nos Estados Unidos cresceram 20%.

"Foi um ano muito difícil. Os mercados estão complicados e o mercado do retalho está em grande transformação e turbulência", explica, por seu turno, o sócio Amílcar Monteiro, que falou ao DN/Dinheiro Vivo no seu stand da Micam, em Milão. "Os canais estão-se a alterar e há uma série de novos players, nomeadamente no online", destaca, lembrando que a nova geração de consumidores "não vai às lojas". Como em todas as revoluções, refere Amílcar Monteiro, "há muita gente a ganhar quota de mercado e dinheiro e muita gente a perder negócio e a sair. Mas como todos continuaremos a andar calçados", frisa o empresário, é tudo uma questão de "encontrar soluções na área do multicanal, descobrindo novas formas de vender". Como? "Temos ideias, estamos a trabalhar nelas, muito em breve teremos notícias", promete Amílcar.

Fortunato Frederico também não abre o jogo, só adianta que o investimento associado é de um milhão de euros. Recorde-se que a Kyaia investiu, há alguns anos, na criação de uma fábrica para produção costumizada de calçado para dar resposta célere às encomendas digitais. No âmbito do projeto High Speed Shoe Factory desenvolveu, também, módulos de apoio ao e-commerce e uma loja inteligente. Mais tarde, criou uma software house pa-ra desenvolver software para o grupo e para o mercado. Tudo indica que a realidade aumentada adequada ao setor do calçado seja, também, um novo desenvolvimento.

A jornalista viajou para Milão a convite da APICCAPSIlídia Pinto

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.