Greve dos CTT teve 75 por cento de adesão nas primeiras horas

A greve começou às 00:00 desta segunda-feira. Trabalhadores reclamam aumentos salariais

A greve dos trabalhadores dos Correios, convocada por um dos sindicatos do setor, e que começou às 00:00 de hoje, teve nas primeiras horas uma adesão de cerca 75 por cento, disse à agência Lusa fonte sindical.

De acordo com o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), Vítor Narciso, nas primeiras oito horas de greve, a adesão rondou os 75 por cento, afetando as principais centrais de correios, em Lisboa, Porto e Coimbra.

"Significa que não houve tratamento do correio, não houve grande parte do transporte a partir daquelas centrais. Vamos ver agora como será com a abertura de estações e centros de distribuição", disse.

Contactada pela agência Lusa, fonte dos CTT remeteu mais informações para meio da manhã, contando já com dados sobre a hora de abertura das estações dos correios.

A greve de um dia foi convocada pelo SNTCT, um dos 11 sindicatos do setor, e em causa estão os valores sobre aumentos salariais.

Todos os sindicatos dos trabalhadores dos CTT chegaram na quarta-feira passada a acordo com a administração dos Correios precisamente, à exceção do SNTCT, que considera o aumento salarial proposto pela administração dos CTT "ofensivo", mantendo por isso a greve de hoje.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.