Governo transfere 9,4 ME para metros de Lisboa e Porto, Soflusa e Transtejo

O Metropolitano de Lisboa receberá cerca de 3,4 milhões de euros enquanto o Metro do porto receberá mais de 4,1 milhões de euros

O Governo vai transferir mais de 9,4 milhões de euros para os metropolitanos de Lisboa e do Porto e para as empresas de transporte fluvial Soflusa e Transtejo, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017).

De acordo com o documento, entregue esta sexta-feira pelo ministro das Finanças na Assembleia da República, o Metropolitano de Lisboa receberá cerca de 3,4 milhões de euros, incluídos na receita total prevista de 340 milhões de euros para a empresa.

Quanto às despesas, o Governo prevê que o Metro de Lisboa totalize 329 milhões de euros.

No caso do Metro do Porto, a transferência prevista é superior a 4,1 milhões de euros. A receita total prevista desta empresa será de quase 673 milhões de euros. Nas despesas, prevê-se que a empresa totalize mais de 70 milhões de euros.

Segundo o OE2017, a Soflusa, responsável pela ligação fluvial entre o Barreiro e Lisboa, receberá cerca de 537 mil euros, inseridos numa receita total que o Governo prevê para a empresa de 19,9 milhões de euros.

No âmbito das despesas, a Soflusa deverá totalizar quase 18 milhões de euros.

Relativamente à Transtejo, responsável pela ligação fluvial entre a margem sul e Lisboa, a verba que deverá ser transferida pelo Governo é de 1,4 milhões de euros, prevendo-se uma receita total de 99,5 milhões de euros.

A Transtejo deverá ainda totalizar 96,5 milhões de euros em despesas.

Na proposta final de Orçamento do Estado para 2017, o Governo lembra que se deu início ao processo de reversão de subconcessão das redes dos operadores públicos de transportes de Lisboa e do Porto, mantendo-se até ao final do ano de 2016 o modelo de funcionamento atual.

Além disso, indica que se encontra em curso a alteração ao modelo de gestão dessas empresas, no caso de Lisboa, o Metropolitano de Lisboa, E.P.E., a Companhia de Carris de Ferro de Lisboa, S.A. (CARRIS), a Transtejo - Transportes do Tejo, S.A., e a Soflusa - Sociedade Fluvial de Transportes do Tejo, S.A., e no caso do Porto, a Metro do Porto, S.A., e a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, S.A. (STCP).

"Este novo modelo visa, assim, efetivar o propósito de descentralização assumido pelo XXI Governo Constitucional", lê-se no relatório entregue.

O Governo apresentou esta sexta-feira a proposta de Orçamento do Estado de 2017 que prevê um crescimento económico de 1,5%, um défice de 1,6% do PIB, uma inflação de 1,5% e uma taxa de desemprego de 10,3%.

Para este ano, o executivo liderado por António Costa piorou as estimativas, esperando agora um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2,4% do PIB.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.