Governo dificulta responsabilização financeira de presidentes de câmara

Tribunal de Contas quer regime jurídico mais coerente e unificado para combater mau uso do dinheiro dos contribuintes. Mais de metade dos processos deu em nada por falta de provas de culpa e razões similares

Com um simples aditamento que tenciona modificar a Lei das Finanças Locais, o governo quer aprovar um regime que coloca o ónus do mau uso de dinheiros públicos diretamente "nos membros do órgão executivo das autarquias locais responsáveis pela área financeira" e não no conjunto dos "titulares dos órgãos executivos das autarquias locais", como acontece agora.

É neste último grupo que estão os presidentes das câmaras (e das juntas de freguesia) e que hoje são visados pelo regime de responsabilização financeira, embora seja preciso remeter para uma lei de 1933, cujo conteúdo é, obviamente, anacrónico e desalinhado face à realidade atual. No entanto, a nova proposta de alteração à Lei das Finanças Locais (proposta de lei 131/XIII), apresentada na semana passada pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e pelo homólogo das Finanças, Mário Centeno, pode complexificar ainda mais a interpretação de um regime que foi sofrendo inúmeras alterações ao longo de anos.

Por ser uma espécie de manta de retalhos, os especialistas temem que estas alterações avulsas dificultem ainda mais o efetivo apuramento de responsabilidades nos casos em que os dirigentes políticos usam o dinheiro público de forma errada, indevidamente, com más intenções, com dano, ou não.

A referida proposta de aditamento ao artigo 80.º da Lei das Finanças Locais, aprovada pelo Conselho de Ministros de 10 de maio, diz explicitamente, no ponto 1, "a responsabilidade financeira" nas autarquias locais - que implica a reposição do dinheiro em falta por não terem sido arrecadadas receitas com dolo ou culpa grave ou por ter havido desvios e pagamentos indevidos de verbas - "recai sobre o membro do órgão executivo das autarquias locais responsável pela área financeira e sobre o ou os dirigentes responsáveis pela área financeira".

Na maioria das câmaras e freguesias dificilmente as decisões em gastar muito dinheiro são aprovadas sem o consentimento do presidente e do conjunto do executivo.

No mesmo aditamento, no número dois, a proposta do governo diz ainda que podem ser responsabilizados "o membro do órgão executivo das autarquias locais competente em razão da matéria e sobre o ou os respetivos dirigentes".

Umas das instituições mais preocupadas com este tipo de inconsistências que podem pôr em xeque a eficácia no apuramento de responsabilidades financeiras no uso do erário público é o Tribunal de Contas (TdC), presidido por Vítor Caldeira, que considera indispensável uma revisão do regime relativo à responsabilidade financeira, que responsabilize de forma eficaz e célere aqueles que, com culpa, causem dano aos cofres públicos.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai juntar-se à reflexão sobre este tema num seminário a realizar na quarta-feira, 23 de maio, na Fundação Champalimaud, em Lisboa. Será a quinta e última conferência de um ciclo que arrancou em outubro passado.

Dos quatros seminários realizados, o TdC já tirou conclusões: as leis existem, há muitos processos no âmbito da responsabilidade financeira, mas há poucos resultados devido ao arquivamento de processos "por falta de comprovação da culpa", processos que terminam por "ausência de culpa, falta de consciência da ilicitude", etc. Além disso, nos processos que chegaram ao fim e em que houve condenação, muito pouco dinheiro público foi recuperado. Em cinco anos (2012 a 2016), o tribunal conseguiu que entidades e gestores públicos considerados "culpados" reintegrassem a módica quantia de 470 mil euros.

O Tribunal de Contas diz que "é indispensável um quadro jurídico adequado", mais coerente, unificado, sem alterações avulsas, para acabar com este estado de coisas. E defende que, além dos decisores públicos, "todos os agentes que gerem ou utilizam dinheiros públicos" devem ser responsabilizados. Neste grupo estão alguns privados, como Instituições Particulares da Segurança Social (IPSS), consultores ou advogados avençados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.

Premium

Marisa Matias

Pobreza

A essência da pobreza aniquila o futuro", escrevia Orwell. Um quarto da população europeia vive numa situação de risco de pobreza. São 120 milhões de pessoas, doze "países" iguais a Portugal. Falamos de pessoas que vivem na região mais rica do mundo. Este facto não tem comovido as instituições europeias que, nos últimos trinta anos, recuaram, e muito, em relação ao que haviam traçado como estratégia. Aos defuntos Programas Europeus de Combate à Pobreza seguiu-se um objetivo de reduzir a pobreza até 2010. Ninguém lhe prestou atenção e esse objetivo não saiu do papel.