Governo apela a soluções na Autoeuropa

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, considera que a situação constitui "um risco para a empresa" e apelou aos trabalhadores e à administração que se entendam a curto prazo.

Mais de 63% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram o segundo pré-acordo sobre os horários de trabalho na fábrica de automóveis de Palmela, no referendo realizado na quarta-feira, com 3.145 votos contra o pré-acordo (63,22%) e 1.749 votos favoráveis.

O ministro do Trabalho disse, na quarta-feira à noite à margem da Gala da Associação Nacional de Jovens Empresários, no Porto, que o impasse na Autoeuropa "não é positivo".

"Obviamente que essa situação não é positiva. (...) Esta é a pior situação na Autoeuropa. É um risco para a empresa, seria ilusório estar a fazer uma afirmação no sentido contrário", sublinhou.

José Vieira da Silva lembrou que esta "não é a primeira vez que existem acordos na Autoeuropa que são afetados por um referendo dos trabalhadores" e sempre foi possível encontrar soluções negociadas.

Segundo o governante, o "tempo escasseia e as soluções têm de ser encontradas num prazo curto".

"Nós apelamos às partes para que aprofundem os seus contactos, para que possam estudar novas situações e que possam junto dos trabalhadores ter uma atuação que valorize a importância que tem este acordo para o futuro da Autoeuropa, daquela região, do país daqueles trabalhadores e das suas famílias, porque é de facto um projeto de futuro que está a ser discutido neste momento", salientou.

Também o ministro da Economia, Caldeira Cabral, disse à margem da mesma Gala que deve ser encontrada uma solução.

"Faço votos para que haja um sentido de responsabilidade e que se possa ainda encontrar uma solução", disse.

O pré-acordo rejeitado na quarta-feira estabelecia os termos do trabalho ao sábado e da laboração contínua (três turnos diários), que deveria ter início depois das férias de agosto de 2018.

Para assegurar a produção estimada do novo veículo produzido em Palmela (T-Roc) a administração da Autoeuropa considera necessária a laboração contínua, bem como o trabalho ao sábado.

Nos plenários realizados na semana passada, muitos trabalhadores contestaram os termos do novo pré-acordo.

Entretanto, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou ainda na quarta-feira que pretende reiniciar o diálogo com a administração da fábrica de Palmela face à rejeição do pré-acordo.

No passado mês de julho, 74% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram um outro pré-acordo sobre os novos horários que tinha sido negociado pela anterior Comissão de Trabalhadores, a que se seguiu uma greve histórica, em 30 de agosto, a primeira por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela do grupo Volkswagen.

A anterior Comissão de Trabalhadores apresentou a demissão face à rejeição do pré-acordo no referendo realizado em 29 de julho.

O trabalho ao sábado (e a remuneração dos sábados, que, nos termos previsto no pré-acordo que foi rejeitado, deixaria de ser pago como trabalho extraordinário), bem como a laboração contínua a partir de agosto de 2018, foram os principais motivos de contestação por parte dos trabalhadores da Autoeuropa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.