Governo anuncia investimento de 100 milhões para melhorar condições da GNR e PSP

Investimento será feito ao longo dos próximos cinco anos, anunciou esta quarta-feira a ministra da Administração Interna

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, anunciou hoje um investimento "superior a 100 milhões de euros" para os próximos cinco anos na melhoria dos quartéis e esquadras da GNR e PSP.

Durante a inauguração do posto da GNR de Porto de Mós, a ministra considerou que existem várias esquadras e quartéis da PSP e GNR a necessitarem de obras urgentes para garantirem melhores condições para os seus elementos e cidadãos.

"Não é nada que se consiga resolver de hoje para amanhã. Existem vários locais mais urgentes, como Cucujães, Vila Real de Santo António ou onde está albergado o corpo de intervenção da PSP na Ajuda ou no Porto, que são infraestruturas que hoje têm um elevado grau de degradação e que estão devidamente identificadas e priorizadas", exemplificou Constança Urbano de Sousa à margem da cerimónia.

A ministra revelou que, "para os próximos cinco anos, prevê-se um investimento superior a 100 milhões de euros, mas que até pode ser superior, porque depende muito também de receitas que possam ser oriundas de vendas de património e que reverterão exclusivamente para a requalificação das infraestruturas".

Constança Urbano de Sousa informou ainda que "é preciso planear obra e paulatinamente ir recuperando e criando novas condições e novas instalações".

Por isso, "está neste momento em discussão na Assembleia da República uma lei de programação que vai permitir ao longo dos próximos cinco anos planear o investimento e, sobretudo, dotar de instrumentos financeiros que permitam financiar ao longo dos próximos anos obras de requalificação e de construção de postos da GNR e de esquadras da PSP".

Sobre o posto de Porto de Mós, a ministra salientou que as novas instalações "estão mais adequadas ao tipo de exigências que hoje se colocam e também permitem um atendimento condigno da população que serve", não esquecendo "as pessoas com deficiência, que têm sempre muita dificuldade em aceder a este posto e têm esse direito".

"Com este posto garantimos aos 22 militares que prestam aqui serviço todas as condições necessárias ao desempenho das suas funções. Estão reunidas as condições para que Porto de Mós tenha um novo posto ao serviço da população onde o efetivo da GNR continuará a fazer mais e melhor policiamento", acrescentou.

O novo posto da GNR de Porto de Mós resulta de um investimento de cerca de 500 mil euros, num acordo "tripartido" entre a autarquia, o Ministério da Administração Interna e a GNR, disse o presidente da Câmara, João Salgueiro, que considerou que o novo posto está "moderno, bem equipado e funcional".

"Passamos hoje a dispor de condições dignas que contribuirão para uma adequada missão. O senhor primeiro-ministro esteve em Porto de Mós no sábado e disse que não eram as paredes e o betão que faziam uma melhor escola, também aqui não é a parede nem o betão que fazem um melhor quartel. O melhor quartel começa nas prestações dos nossos militares. Mas com melhores ferramentas trabalha-se melhor", sublinhou João Salgueiro.

O comandante Geral da GNR, tenente-general Manuel da Silva Couto, salientou que "os dados da evolução da criminalidade nesta região, quer do ponto de vista quantitativo, quer qualitativo, mostram que a população vive num ambiente de relativa paz e tranquilidade pública, que importa manter".

Nos últimos anos, "a criminalidade no concelho, sobretudo nos crimes contra o património, tem vindo a registar um decréscimo assinalável, fruto da cooperação e da proatividade da Guarda e demais parceiros locais, projetando-se de forma muito positiva no sentimento de segurança da população", adiantou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".