Google vai recorrer da multa aplicada por Bruxelas

Em causa o sistema Android que viola as regras de concorrência, segundo a CE

A Google vai recorrer da multa de 4,3 mil milhões de euros aplicada pela Comissão Europeia (CE) por abuso de posição no mercado devido ao sistema Android, disse esta quarta-feira fonte oficial da tecnológica norte-americana.

A Comissão Europeia aplicou hoje uma multa com valor recorde de 4,3 mil milhões de euros à Google.

Esta sanção visa punir a Google por violação das regras 'anti-trust' (de concorrência) da União Europeia (UE) pela posição dominante do seu sistema operativo para 'smartphones', Android, de modo a garantir a predominância das suas próprias aplicações -- com destaque para o serviço de navegação Chrome.

"O Android criou mais escolha para todos, não menos. Um ecossistema vibrante, inovação rápida e queda dos preços são sinais clássicos de uma concorrência robusta", disse fonte oficial da tecnológica.

"Vamos recorrer da decisão da Comissão", garantiu a mesma fonte.

O valor da multa ultrapassa o anterior recorde, de 2,42 mil milhões, também à Google em junho de 2017 por favorecimento do serviço de comparação de preços 'Google Shopping' em relação aos seus concorrentes.

O sistema Android é usado por praticamente todos os fabricantes de 'smartphones', sendo o também 'gigante' Apple a principal exceção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.