Google vai recorrer da multa aplicada por Bruxelas

Em causa o sistema Android que viola as regras de concorrência, segundo a CE

A Google vai recorrer da multa de 4,3 mil milhões de euros aplicada pela Comissão Europeia (CE) por abuso de posição no mercado devido ao sistema Android, disse esta quarta-feira fonte oficial da tecnológica norte-americana.

A Comissão Europeia aplicou hoje uma multa com valor recorde de 4,3 mil milhões de euros à Google.

Esta sanção visa punir a Google por violação das regras 'anti-trust' (de concorrência) da União Europeia (UE) pela posição dominante do seu sistema operativo para 'smartphones', Android, de modo a garantir a predominância das suas próprias aplicações -- com destaque para o serviço de navegação Chrome.

"O Android criou mais escolha para todos, não menos. Um ecossistema vibrante, inovação rápida e queda dos preços são sinais clássicos de uma concorrência robusta", disse fonte oficial da tecnológica.

"Vamos recorrer da decisão da Comissão", garantiu a mesma fonte.

O valor da multa ultrapassa o anterior recorde, de 2,42 mil milhões, também à Google em junho de 2017 por favorecimento do serviço de comparação de preços 'Google Shopping' em relação aos seus concorrentes.

O sistema Android é usado por praticamente todos os fabricantes de 'smartphones', sendo o também 'gigante' Apple a principal exceção.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.