Google diz que paga os impostos na Europa e realça investimento

A empresa emprega "mais de 14.000 pessoas" no continente europeu, segundo o presidente executivo Sundar Pichai

O presidente executivo do Google, Sundar Pichai, rejeitou hoje as acusações de que a sua empresa não paga impostos suficientes na Europa, sublinhando o investimento significativo que o gigante da Internet norte-americano faz na região.

"Enquanto empresa global, enquadramo-nos no âmbito do direito fiscal internacional", disse Pichai, na edição de hoje do jornal conservador alemão Die Welt.

O empresário afirmou que o Google paga impostos análogos aos da taxa média na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e acrescentou que, dependendo da estrutura das leis fiscais existentes, a maioria das empresas pagam a maior parte de seus impostos no seu país de origem", numa altura em que o Google é alvo de várias investigações sobre o seu sistema fiscal no continente.

As instalações da empresa em Madrid foram invadidas no final de junho, no âmbito de uma investigação sobre os seus impostos, assim como sucedeu em maio nos escritórios em Paris, por razões semelhantes.

Para Pichai, apenas o "desenvolvimento do sistema fiscal global para as políticas pode levar a melhores resultados". "Se essas leis forem sejam aprovadas, nós obviamente iremos cumpri-las", afirmou.

O Google já investe "muito significativamente na Europa", insistiu, destacando que a empresa emprega "mais de 14.000 pessoas" no continente europeu.

"Isto também leva a receitas fiscais adicionais nesses países", sublinhou.

O Google e outras empresas norte-americanas, como a Amazon ou o Facebook, são regularmente acusados de tentativa de fuga aos impostos, optando por se estabelecer em países onde a tributação lhes é mais favorável, práticas que descrevem como "otimização fiscal".

A sede europeia do Google está na Irlanda, um dos países onde a tributação sobre os lucros das empresas (12,5%) é dos mais baixos da União Europeia.

No início de julho, o copresidente do Google Europa, Carlo d' Asaro Biondo, garantiu que a empresa paga "os impostos em cada país onde está presente".

"Os impostos são pagos especialmente onde é criado valor. E o Google criou o seu valor sobretudo nos Estados Unidos", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.