Google arrisca multa de quatro mil milhões de euros na Europa

A Comissão Europeia pondera aplicar uma multa de quatro mil milhões de euros à Google, por abuso de posição dominante através do sistema Android. A confirmar-se, será uma multa recorde.

Os valores são avançados pelo jornal espanhol El País, que cita fontes próximas do processo. A Comissão Europeia (CE) pondera aplicar uma multa recorde à Google por abuso de posição dominante através do Android. A decisão poderá ser anunciada nesta quarta-feira.

Android é o sistema operativo que praticamente todos os smartphones usam, à exceção da Apple, e a multinacional norte-americana exige às marcas que usam o sistema que instalem aplicações próprias, como o motor de busca Google e navegador Chrome.

Aquela é uma das práticas condenadas pela CE, por a considerarem abuso de poder e ser contra à livre concorrência, daí a multa pesada que pretende aplicar.

Não é a primeira vez que a Google bate recordes nas multas decididas por Bruxelas. No ano passado apanhou uma coima de 2,4 mil milhões , por favorecer de forma sistemática a Google Shopping no serviço de comparação de preços.

O El Pais avança que o processo Android está concluído, depois de três anos de investigação, e que a decisão deverá ser comunicada nesta quarta-feira. Explica que é um tema que a Comissão Europeia quer encerrar antes das férias e que não terá anunciado a decisão na semana passada devido à participação de Donald Trump na reunião da NATO, em Bruxelas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.