Gasóleo e gasolina mais baratos a partir de hoje

Excesso de oferta de petróleo e desacordos entre membros da Organização de Países Produtores de Petróleo causaram a redução dos preços

O preço do gasóleo desceu 4,5 cêntimos, rondando os 1,088 euros por litro, e a gasolina desceu 2,5 cêntimos. Nas cadeias de marca branca a descida é menos acentuada, três cêntimos para o gasóleo e 1,5 para a gasolina. É a maior queda de preços em mais de dois anos e meio, desde 2013.

Os combustíveis estão mais baratos devido, em parte, ao colapso do petróleo, que está a ser negociado a 40 dólares por barril, perto dos mínimos atingidos em 2008. A decisão da Organização dos Países Produtores (OPEP) de aumentar as quotas de produção numa altura em que a procura tem tendência a diminuir e a economia global tem crescido a um nível mais lento, tem afetado diretamente o preço dos barris de petróleo.

O barril de petróleo Brent para entrega em janeiro estava hoje a meio da manhã abaixo dos 37 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, a aproximar-se do mínimo, de 36,61 dólares, registado em 24 de dezembro de 2008.

Cerca das 12:00 em Lisboa, o barril de petróleo Brent, referência na Europa, estava a ser transacionado a 36,84 dólares, depois de ter iniciado a sessão a 37,75 dólares, um mínimo desde a crise global de 2008 e menos 0,4% do que no encerramento de sexta-feira.

Os preços começaram a cair fortemente na semana passada, quando um acordo entre os membros da OPEP para fixar um limite à produção falhou por falta de consenso. O caso agravou-se depois de a Agência Internacional da Energia (AIE) ter afirmado na sexta-feira no relatório mensal que não está prevista uma redução da oferta a curto prazo e que o crescimento da procura deverá desacelerar em 2016.

Em novembro, os membros da OPEP produziram uma média de 31,7 milhões de barris por dia, mais 1,7 milhões do que quota combinada, o que terá tido um impacto nos preços, que recuaram 40% nos últimos 12 meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.