Galp Energia desce em média 0,18% tarifas da eletricidade em 2018

No final do ano, a EDP Comercial - líder do mercado livre de eletricidade - anunciou um aumento médio do preço da eletricidade em 2,5% em 2018

A Galp vai descer os preços finais da eletricidade em média 0,18% face aos praticados em 2017, resultante "do efeito conjugado da descida das tarifas de acesso às redes e do aumento do preço médio de aquisição de energia".

Na carta enviada aos clientes a comunicar a atualização dos preços da eletricidade para 2018, que entram em vigor a partir de 28 de janeiro, a Galp divulga as novas tabelas, que segundo as contas da petrolífera resultam numa descida média de 0,18% para as famílias.

Já no mercado regulado, as tarifas de eletricidade desceram em média 0,2% para os consumidores domésticos a partir de 01 de janeiro.

No final do ano, a EDP Comercial - líder do mercado livre de eletricidade - anunciou um aumento médio do preço da eletricidade em 2,5% em 2018, justificado pela subida do preço da energia do mercado grossista no último ano na ordem dos 24%.

A Galp Energia tinha em outubro a segunda maior quota (5,4%) em número de clientes no mercado livre de eletricidade, a seguir à EDP Comercial que tinha então 84% dos clientes.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.