Funcionários públicos começam hoje a receber salário completo

Funcionários públicos tinham remuneração reduzida desde 2011, pela aplicação de cortes progressivos entre os 3,5% e os 10% aos salários acima dos 1.500 euros

Os trabalhadores da administração pública começam hoje a receber o salário completo, com a conclusão do processo de reversão dos cortes aplicados em 2011.

Na Função Pública, os primeiros salários são pagos hoje, nalguns ministérios, enquanto nos restantes os pagamentos são feitos nos dias seguintes.

No Setor Empresarial do Estado, onde foram aplicados os mesmos cortes, os salários são normalmente pagos no último dia útil de cada mês.

Com a reposição este mês dos 30% que faltavam para completar o processo, o Governo cumpre a promessa prevista no seu programa eleitoral e no Orçamento do Estado para este ano.

De acordo com estimativas do Governo, a reposição salarial dos funcionários públicos e dos trabalhadores do Setor Empresarial do Estado corresponde a 0,24% do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, tendo em consideração o "ajustamento verificado entre a saída e entrada de trabalhadores".

Os funcionários públicos tinham a sua remuneração reduzida desde 2011, pela aplicação de cortes progressivos entre os 3,5% e os 10% aos salários acima dos 1.500 euros.

Em 2015, o governo PSD/CDS-PP repôs 20% da totalidade desses cortes salariais e desde janeiro deste ano o executivo socialista tem vindo a repor trimestralmente os restantes 80%.

A reposição salarial foi nos últimos anos a principal reivindicação das estruturas sindicais da Função Pública, que agora defendem o aumento dos salários para compensar o poder de compra perdido desde 2009, ano em que tiveram pela última vez aumentos remuneratórios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?