Preveem-se novas contratações mas não aumentos salariais

Grandes Opções do Plano para 2019 preveem a contratação de novos funcionários públicos, mas são omissas em relação a eventuais aumentos salariais.

O projeto sobre as Grandes Opções do Plano chegou esta sexta-feira ao Conselho Económico e Social e entre as linhas de ação que elenca para 2019 está a continuação do "esforço de renovação etária dos trabalhadores da Administração Pública".

Relativamente a rendimentos, refere a continuação do processo de descongelamento iniciado em 2018, mas não faz qualquer referência a aumentos salariais.

Começando por referir que os recursos humanos são "o ativo mais importante" de qualquer organização, o documento, a que o Dinheiro Vivo teve acesso elenca as medidas tomadas pelo atual governo em matéria de reposição de rendimentos mas nesta matéria e no que ao próximo ano diz respeito adianta apenas que o o descongelamento das progressões "iniciado em 2018" será "continuado em 2019".

O aumento dos salários em 2019 é uma das questões centrais que os sindicatos colocaram em cima da mesa das negociações com o governo, havendo propostas de atualização de 3%, 3,5% e 4%. Numa reunião realizada na semana passada, em que este tema começou a ser discutido, o Ministério das Finanças apresentou dados que mostram que o impacto que o descongelamento (das progressões e promoções) vai ter nas remunerações de cada funcionário que que em 2019 ultrapassa os 3%.

As contas não convenceram os representantes dos trabalhadores que esperam receber uma contraproposta do governo na reunião que vai decorrer no dia 20 de setembro. Sem aumentos salariais, avisam, os trabalhadores avançarão para a luta, sendo a realização de uma greve geral o cenário mais provável.

O projeto das GOP será agora analisado e alvo de um parecer por parte do CES.

Lucília Tiago é jornalista do Dinheiro Vivo

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.