Preveem-se novas contratações mas não aumentos salariais

Grandes Opções do Plano para 2019 preveem a contratação de novos funcionários públicos, mas são omissas em relação a eventuais aumentos salariais.

O projeto sobre as Grandes Opções do Plano chegou esta sexta-feira ao Conselho Económico e Social e entre as linhas de ação que elenca para 2019 está a continuação do "esforço de renovação etária dos trabalhadores da Administração Pública".

Relativamente a rendimentos, refere a continuação do processo de descongelamento iniciado em 2018, mas não faz qualquer referência a aumentos salariais.

Começando por referir que os recursos humanos são "o ativo mais importante" de qualquer organização, o documento, a que o Dinheiro Vivo teve acesso elenca as medidas tomadas pelo atual governo em matéria de reposição de rendimentos mas nesta matéria e no que ao próximo ano diz respeito adianta apenas que o o descongelamento das progressões "iniciado em 2018" será "continuado em 2019".

O aumento dos salários em 2019 é uma das questões centrais que os sindicatos colocaram em cima da mesa das negociações com o governo, havendo propostas de atualização de 3%, 3,5% e 4%. Numa reunião realizada na semana passada, em que este tema começou a ser discutido, o Ministério das Finanças apresentou dados que mostram que o impacto que o descongelamento (das progressões e promoções) vai ter nas remunerações de cada funcionário que que em 2019 ultrapassa os 3%.

As contas não convenceram os representantes dos trabalhadores que esperam receber uma contraproposta do governo na reunião que vai decorrer no dia 20 de setembro. Sem aumentos salariais, avisam, os trabalhadores avançarão para a luta, sendo a realização de uma greve geral o cenário mais provável.

O projeto das GOP será agora analisado e alvo de um parecer por parte do CES.

Lucília Tiago é jornalista do Dinheiro Vivo

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."