François Godement: "Não se ganha em ficar calado"

O diretor do think tank ECFR afirma que "vários países acreditam que manter uma posição recuada ou não discutir abertamente os seus valores e princípios lhes trará vantagens". Mas com a China não se ganha em manter uma posição recuada

Portugal não é o maior destino de investimento chinês na Europa, mas é talvez o mais significativo. Que papel tem tido na UE?

Houve uma janela de oportunidade legítima nos países europeus mais atingidos pela crise. Os europeus eram livres de investir nas mesmas empresas. Nenhuma regra europeia foi violada. Portugal é um caso muito diferente da Grécia, da Hungria e até da Itália. Tem sido quase sempre capaz de separar a sua atitude em assuntos europeus relativamente à China. Nos últimos cinco anos, o único momento em que talvez se possa dizer que Portugal fez lobby a favor da China aconteceu em junho na discussão sobre o novo mecanismo de escrutínio ao investimento. Mas pareceu-me um ato cautelar de um país que não quis passar um cheque em branco a outros.

Essa posição não foi pública.

Não era suposto ser pública. Foi divulgada porque há fugas no Conselho da UE.

Isso faz diferença?

É diferente do lobby sistemático da Grécia. Nenhum destes países é indiferente ao interesse económico ou ao facto de os negociadores chineses serem capazes de tirar partido das situações. É um equilíbrio que pode ser remediado, assim os europeus tenham alguma confiança e os países do núcleo duro da UE prestem atenção aos interesses das economias mais pequenas. A questão da reforma de política económica da UE tem uma enorme importância para que seja criada unidade, ou para um cenário de dividir para reinar com arbitragem da China.

Diz que Portugal se tem mantido em silêncio no que diz respeito a questões de direitos humanos, ao contrário, por exemplo, do Reino Unido. É pragmatismo?

Com a China não se ganha nada em ficar calado. Há que ser consistente. Mas não é um erro apenas de Portugal. Vários países acreditam que manter uma posição recuada ou não discutir abertamente os seus valores e princípios lhes trará vantagens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.