França vai processar Google e Apple por práticas comerciais abusivas

O executivo francês também está a trabalhar à escala internacional para obrigar a Google e a Apple a pagarem impostos onde os negócios são efetuados

O ministro francês da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, anunciou hoje que a França vai processar as empresas Google e Apple e pedir sanções de "milhões de euros" por práticas comerciais abusivas em relação a outras companhias.

Numa entrevista à estação de rádio RTL, Le Maire disse que as condições que a Google e a Apple impõem a outras empresas que desenvolvem programas e aplicações por utilização das plataformas de internet "são inaceitáveis".

A denúncia vai ser apresentada ao Tribunal de Comércio de Paris por "práticas comerciais abusivas".

"Há regras e há justiça que todos devem saber respeitar", sublinhou Bruno Le Maire

O ministro acrescentou que a Google e a Apple impõem tarifas às empresas emergentes que criam programas e aplicações para as plataformas já existentes e que os "dois gigantes da internet" tomam posse de informações podendo depois modificar unilateralmente os contratos.

"Há regras e há justiça que todos devem saber respeitar", sublinhou Bruno Le Maire.

Além da ação judicial, Le Maire recordou que o executivo francês está a trabalhar à escala internacional para o estabelecimento de regras que obriguem a Google e a Apple a pagarem impostos onde os negócios são efetuados.

O ministro mostrou-se convencido de que o Estado francês vai conseguir resultados em relação ao assunto no final do ano e que as mesmas medidas vão aplicar-se a nível europeu no início de 2019.

Paris propõe que se estabeleça um dispositivo fiscal às companhias digitais "sobre a faturação em cada país" para evitar que paguem apenas ao Estado em que as empresas se encontram sediadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."