Fórum para a Competitividade diz que salário não deve aumentar em 2017

Fórum para a Competitividade diz que o salário mínimo não deve ser aumentado no próximo ano. Descida do IVA foi um "erro muito caro".

O Fórum para a Competitividade defendeu hoje o congelamento dos salários no próximo ano. "Recomendamos que para 2017 haja um congelamento salarial generalizado no setor privado, com exceção de promoções, o que se deveria traduzir na manutenção dos escalões do IRS no Orçamento de Estado de 2017", refere o fórum na nota de conjuntura de agosto, hoje divulgada.

O Fórum para a Competitividade considera que o salário mínimo no próximo ano "não deve ser aumentado", uma vez que está "em níveis preocupantemente desfasados da produtividade", o que prejudicará sobretudo os trabalhadores "em posição mais frágil", como é o caso dos desempregados de longa duração, dos trabalhadores menos qualificados e com menos experiência.

O fórum refere que o Governo já definiu que haveria "congelamento de salários no setor público", pelo que entende que generalizar esta medida ao setor privado "não deverá ser encarado como problemático".

Sobre a descida do IVA na restauração, de 23% para 13% a 1 de julho, afirma que foi "um erro muito caro", tanto a nível económico como político.

"Tudo indica que os consumidores não terão sido minimamente beneficiados pela descida do IVA. Se não há descida de preços, também não poderá haver aumento da quantidade procurada, o que significa que estas empresas não terão quaisquer motivos para aumentar o emprego", lê-se no documento.

O fórum, no documento, manifesta-se ainda preocupado, pois considera que o 'rating' da divida soberana de Portugal atribuído pela agência DBRS, da qual o país "está altamente dependente" , poderá estar "em risco elevado" de passar a 'lixo', o que seria "catastrófico" e teria "evidentes consequências políticas".

A agência de 'rating' DBRS dará a conhecer a sua decisão, tanto sobre as medidas adicionais para 2016, como sobre o orçamento de 2017, a 21 de outubro.

"O Governo está a brincar com o fogo, ao reiterar que não vai apresentar medidas adicionais, em flagrante desrespeito com as exigências de Bruxelas e quando o fraco crescimento económico coloca obviamente em causa as metas orçamentais para 2016", lê-se no documento.

Sobre a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), o fórum refere que, o reforço do capital, apesar de "não colocar em causa" o défice público, "afectará necessariamente a dívida pública".

"A necessidade de recapitalizar a CGD deverá pressionar ainda mais o endividamento público, enquanto os receios sobre o sucesso do modelo de recapitalização escolhido, nomeadamente o apetite dos investidores para as obrigações subordinadas, são um fator de risco adicional", afirma o Fórum para a Competitividade.

O fórum refere ainda que as previsões de crescimento da economia portuguesa não são animadoras e diz que Governo adotou "uma estratégia económica duplamente errada", ao "privilegiar a procurar interna às exportações" e, "dentro da procura interna, preferir o consumo privado ao investimento".

O Fórum para a Competitividade afirma ser uma "instituição ativa na promoção do aumento da competitividade de Portugal, criando as condições necessárias a este propósito através de iniciativas relacionadas com a atividade empresarial e as políticas públicas, da difusão da informação para a competitividade e do debate entre instituições e indivíduos numa base profissional, técnica e independente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.