FMI sugere reformas para Portugal continuar a convergir

Aumentar a produtividade e apostar em reformas estruturais pode ser o caminho para o país crescer a cima da média da zona euro

O diretor regional do FMI para a União Europeia, Jeffrey Franks, defendeu hoje, em Lisboa, que Portugal deve aumentar a produtividade e apostar em reformas estruturais para níveis de crescimento económico superiores à média da zona euro.

Numa conferência no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), Jeffrey Franks recordou que Portugal convergiu com a zona euro no ano passado, ao crescer 2,7%, acima da média dos 19 países da moeda única (2,3%).

Para garantir que essa convergência é "sustentável no futuro", Portugal deve "aumentar a produtividade", através de reformas estruturais que promovam o desenvolvimento da investigação, a educação, o investimento, entre outras, defendeu o diretor do FMI.

Nas estimativas mais recentes, o FMI prevê que o crescimento económico português abrande para 2,2% este ano, ao mesmo ritmo do conjunto dos 19 países da moeda única.

Nesse sentido, Jeffrey Franks admitiu que uma das formas de Portugal promover a convergência com os restantes países da zona euro é a via política orçamental.

"Não é aumentar o défice", disse.

O diretor apresentou um estudo do gabinete europeu do FMI que, entre outras conclusões, aponta que se vários países avançarem com reformas que promovam o crescimento esses efeitos positivos são repercutidos a todos os países.

Questionado depois sobre o impacto das reformas estruturais no crescimento económico em Portugal, quando Espanha, outro país que passou por uma crise e um programa de ajustamento, apresenta um crescimento económico de 3,1%, Jeffrey Franks disse que é necessário comparar o que foi feito nos dois países.

"Portugal foi longe o suficiente? Abordou as áreas necessárias? Espanha fez mais?", interrogou, recordando que Espanha implementou um programa de resgate à banca.

Durante o debate no ISEG, Jeffrey Franks admitiu ainda que o euro "é cego à convergência".

"Não é certo que prejudique a convergência, mas também não é certo que a promova", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.