FMI sugere reformas para Portugal continuar a convergir

Aumentar a produtividade e apostar em reformas estruturais pode ser o caminho para o país crescer a cima da média da zona euro

O diretor regional do FMI para a União Europeia, Jeffrey Franks, defendeu hoje, em Lisboa, que Portugal deve aumentar a produtividade e apostar em reformas estruturais para níveis de crescimento económico superiores à média da zona euro.

Numa conferência no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), Jeffrey Franks recordou que Portugal convergiu com a zona euro no ano passado, ao crescer 2,7%, acima da média dos 19 países da moeda única (2,3%).

Para garantir que essa convergência é "sustentável no futuro", Portugal deve "aumentar a produtividade", através de reformas estruturais que promovam o desenvolvimento da investigação, a educação, o investimento, entre outras, defendeu o diretor do FMI.

Nas estimativas mais recentes, o FMI prevê que o crescimento económico português abrande para 2,2% este ano, ao mesmo ritmo do conjunto dos 19 países da moeda única.

Nesse sentido, Jeffrey Franks admitiu que uma das formas de Portugal promover a convergência com os restantes países da zona euro é a via política orçamental.

"Não é aumentar o défice", disse.

O diretor apresentou um estudo do gabinete europeu do FMI que, entre outras conclusões, aponta que se vários países avançarem com reformas que promovam o crescimento esses efeitos positivos são repercutidos a todos os países.

Questionado depois sobre o impacto das reformas estruturais no crescimento económico em Portugal, quando Espanha, outro país que passou por uma crise e um programa de ajustamento, apresenta um crescimento económico de 3,1%, Jeffrey Franks disse que é necessário comparar o que foi feito nos dois países.

"Portugal foi longe o suficiente? Abordou as áreas necessárias? Espanha fez mais?", interrogou, recordando que Espanha implementou um programa de resgate à banca.

Durante o debate no ISEG, Jeffrey Franks admitiu ainda que o euro "é cego à convergência".

"Não é certo que prejudique a convergência, mas também não é certo que a promova", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.