FMI sugere reformas para Portugal continuar a convergir

Aumentar a produtividade e apostar em reformas estruturais pode ser o caminho para o país crescer a cima da média da zona euro

O diretor regional do FMI para a União Europeia, Jeffrey Franks, defendeu hoje, em Lisboa, que Portugal deve aumentar a produtividade e apostar em reformas estruturais para níveis de crescimento económico superiores à média da zona euro.

Numa conferência no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), Jeffrey Franks recordou que Portugal convergiu com a zona euro no ano passado, ao crescer 2,7%, acima da média dos 19 países da moeda única (2,3%).

Para garantir que essa convergência é "sustentável no futuro", Portugal deve "aumentar a produtividade", através de reformas estruturais que promovam o desenvolvimento da investigação, a educação, o investimento, entre outras, defendeu o diretor do FMI.

Nas estimativas mais recentes, o FMI prevê que o crescimento económico português abrande para 2,2% este ano, ao mesmo ritmo do conjunto dos 19 países da moeda única.

Nesse sentido, Jeffrey Franks admitiu que uma das formas de Portugal promover a convergência com os restantes países da zona euro é a via política orçamental.

"Não é aumentar o défice", disse.

O diretor apresentou um estudo do gabinete europeu do FMI que, entre outras conclusões, aponta que se vários países avançarem com reformas que promovam o crescimento esses efeitos positivos são repercutidos a todos os países.

Questionado depois sobre o impacto das reformas estruturais no crescimento económico em Portugal, quando Espanha, outro país que passou por uma crise e um programa de ajustamento, apresenta um crescimento económico de 3,1%, Jeffrey Franks disse que é necessário comparar o que foi feito nos dois países.

"Portugal foi longe o suficiente? Abordou as áreas necessárias? Espanha fez mais?", interrogou, recordando que Espanha implementou um programa de resgate à banca.

Durante o debate no ISEG, Jeffrey Franks admitiu ainda que o euro "é cego à convergência".

"Não é certo que prejudique a convergência, mas também não é certo que a promova", disse.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.