Fisco pode reconhecer residência no estrangeiro com efeitos retroativos

Emigrantes que retornem neste ano ou próximo ao país podem ter 50% de redução no IRS, mas é necessário reunir três anos de residência fiscal fora.

Os emigrantes que regressem ao país neste ano ou no próximo, tendo estado fora nos três anos anteriores a regresso, poderão ver ainda reconhecido o tempo de residência fiscal no estrangeiro completo ainda que não tenham feito a alteração da morada fiscal oportunamente. Para tal, é necessário que tenham feito, entretanto, esta alteração no cartão do cidadão, e que apresentem um certificado de residência fiscal do país onde estiveram emigrados.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos