Fisco fez 69 mil penhoras, 18 mil a contas bancárias

Penhora de imóveis tem diminuído. Fisco fica a partir de hoje impedido de vender casas de morada de família penhoradas

As contas bancárias são o bem mais procurado pela administração fiscal quando as dívidas de impostos têm de avançar para um processo de penhora. Esta preferência explica que das 69 411 penhoras realizadas no primeiro trimestre deste ano, 18 mil tenham incidido sobre aquele tipo de ativos.

Já os processos que envolvem imóveis têm vindo a diminuir e deverão continuar a cair, já que hoje entram em vigor as novas regras que impedem o fisco de vender casas de família que tenham sido penhoradas por dívidas fiscais.

Em média, apenas 12% das penhoras marcadas pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT ) acabam por ser efetivamente concretizadas. Por isso, apesar de neste primeiro trimestre de 2016 o fisco ter registo da marcação de 553 397 processos, apenas acabou por realizar perto de 70 mil. A taxa de concretização aumenta para 20%, quando a comparação é feita com os processos que depois de marcados ainda avançaram para a fase seguinte, ou seja, foram despachados.

As regras em vigor determinam que na hora de avançar com uma penhora, o fisco tem de dar prioridade aos bens "cujo valor pecuniário seja de mais fácil realização" e ainda de observar os princípios da "adequação e proporcionalidade". É isto que explica que, entre janeiro e março, a AT tenha avançado com a marcação de 137 405 penhoras sobre saldos de contas bancárias e outros ativos mobiliários; de 115 110 sobre créditos e de 105 198 sobre salários. Em todas estas situações, o número de casos concretizados acabou por ser bastante inferior, com os dados do Ministério das Finanças a apontarem para 18 098 penhoras de contas, 4455 de créditos - caso em que os clientes são obrigados a entregar ao fisco quantias que tivessem a pagar ao seu fornecedor - e 13 868 de vencimentos e de salários.

Na lista de preferências do fisco e depois de "verificadas" aquelas três categorias de bens, seguem-se as penhoras de veículos, pensões, imóveis e rendas de casas. Mas os dados mostram também que a reação dos contribuintes difere consoante o bem que lhe pode ser retirado. No caso dos veículos, por exemplo, a taxa de concretização das penhoras despachadas foi de 47% (mais do dobro da média de 20%) e nos imóveis chegou aos 55%.

Este aparente desapego explica-se pelo facto de a maioria destas penhoras incidir sobre terrenos e garagens. Há também casos a abranger segundas habitações, mas são reduzidos (menos de 10% do total), e os que visam habitações que gozam de isenção de IMI (um benefício dado apenas às que servem de habitação própria e permanente). Em 2014, o fisco realizou 59 395 penhoras sobre imóveis. No ano passado, caíram para 25 327 e este ano ficaram-se pelos 5720 no primeiro trimestre. Ou seja, se o ritmo se mantiver, ficarão ligeiramente abaixo do observado no ano passado.

Daqui para a frente, a administração fiscal poderá continuar a penhorar imóveis mas fica impedida de os vender quando se trate de casas de família. A lei que cria este travão - e que resultou de projetos apresentados pelo PS e por todos os partidos à sua esquerda - entra hoje em vigor e protege as casas até 574 mil euros. Nas restantes, os donos terão um ano para resolver a sua situação - leia-se pagar a dívida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.