Fidelidade já está a vender casas polémicas

O Negócios avança que a seguradora já transacionou vários imóveis, depois de ter dito que só avança com as escrituras a 7 de setembro.

A seguradora Fidelidade, no âmbito do processo de venda de cerca de dois mil imóveis - presentes no seu portefólio imobiliário - tinha adiantando que avançava com a celebração de escrituras públicas a partir desta sexta-feira, 7 de setembro. Contudo, e de acordo com a edição desta sexta-feira do Jornal de Negócios, há já imóveis transacionados e estão em preparação outras escrituras.

Assim, o processo está já em andamento e, nos casos em que a venda tenha já sido celebrada, deixa de ser possível aos inquilinos virem, eventualmente, a beneficiar da nova lei que pretende reforçar o direito de preferência na venda por parte de quem arrenda casas.

A 1 de agosto, o Presidente da República devolveu à Assembleia da República o diploma que dava direito de preferência aos inquilinos na compra da casa. Marcelo Rebelo de Sousa aponta duas razões para vetar o diploma, pedindo clarificação aos deputados. O Chefe de Estado chama a atenção para a "falta de indicação de critérios de avaliação para o exercício do direito de preferência, que existia em versão anterior do diploma". O Presidente da República acrescenta que "tal como se encontra redigida, a preferência poder ser invocada não apenas pelos inquilinos para defenderem o seu direito à habitação, mas também por inquilinos com atividades de outra natureza, nomeadamente empresarial."

Agora, e de acordo com o Negócios, os partidos estão a avaliar uma nova redação e o debate está marcado para 21 de setembro. A Fidelidade não quer falar sobre pormenores do negócio, adiantando apenas que está "em fase de realização avançada do processo" e que espera "encerrá-lo totalmente até ao final do ano, sempre no respeito da lei", adianta ainda o jornal.

A venda destes imóveis tem sido polémica, uma vez que a maioria está arrendada. O Dinheiro Vivo, em abril, avançava inclusivamente que os inquilinos estavam a tentar comprar os imóveis para evitarem ser despejados.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.