Ficaram quase 13 milhões de euros de prémios por reclamar

Já alguma vez encontrou um boletim do Euromilhões com prémio, mas que se esqueceu de reclamar e deixou prazo? Não é o único

No ano passado os portugueses deixaram caducar, sem reclamar, quase 13 milhões de euros de prémios dos jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), do Euromilhões à Lotaria.

Segundo o Relatório e Contas de 2017 da instituição, apresentado esta sexta-feira, o valor dos prémios caducados ascendeu a 12,9 milhões de euros, uma subida substancial em relação aos 8,7 do ano anterior.

Os prémios caducados são "rendimentos derivados da caducidade de prémios de jogo apurados, findo o período de 90 dias no qual estes prémios podem ser reclamados".

Um dos prémios mais altos que alguma vez ficaram por reclamar foi um prémio de Joker, de sete milhões. A Santa Casa chegou a publicar anúncios, mas o vencedor nunca apareceu.

Os prémios não reclamados revertem a favor do Fundo Rainha Dona Leonor de reabilitação das Misericórdias.

As vendas brutas dos Jogos Sociais ultrapassaram, em 2017, os 3 mil milhões de euros. No que diz respeito às receitas correntes, o resultado líquido dos jogos foi de 729 milhões de euros, tendo sido distribuídos pelos beneficiários 718 milhões.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.