Félix Morgado contra novas nomeações no Montepio

Presidente do banco não se demite mas está em rutura com o acionista Tomás Correia devido a mexidas na administração

Voltou a incerteza quanto ao futuro da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG). José Félix Morgado, presidente do banco detido pela Associação Mutualista Montepio Geral, está contra a nomeação de dois novos administradores. A mudança na administração do banco foi anunciada publicamente por Tomás Correia, presidente da Mutualista. Félix Morgado já comunicou ao acionista que não concorda e que não aceita mudanças na administração a um ano de concluir o mandato, no final de 2018. Este desenvolvimento é um forte revés às intenções de estabilizar o Montepio, que com a entrada de Félix Morgado registou ma melhoria nos resultados e na credibilidade do banco no mercado.

A Mutualista é o principal acionista do Montepio mas em breve a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) deverá ficar com até 10% do capital do banco, com a injeção de 200 milhões de euros no banco.

Edmundo Martinho, provedor da SCML afirmou, em entrevista ao Público no dia 6 de dezembro, que após a entrada como acionista do Montepio, irá nomear um a dois administradores para o banco.

Gota de água

Mas Félix Morgado tem outras preocupações. Ao que o DN/Dinheiro Vivo apurou, também está preocupado com o processo de cobrança de créditos que foram concedidos pelo banco no período antes do ano de 2015. Por outro lado, o gestor também receia que Tomás Correia possa vir a querer vender parte do capital do banco Montepio ao grupo chinês CEFC, que acaba de comprar a maioria do capital da seguradora Lusitânia.

O acordo com o grupo chinês, que vai passar a deter uma posição maioritária no Montepio Seguros, foi assinado em Xangai no final de novembro passado. O grupo foi classificado pelo Financial Times como "opaco" e recentemente teve de emitir um comunicado onde aproveita para negar ligações a um caso de corrupção e branqueamento de capitais.

Ontem, chegou a ser dada por garantida a saída de Félix Morgado do Montepio até ao final deste ano e a Associação Mutualista mostrou-se surpreendida. "Para a Associação Mutualista, a tomada de posição de Félix Morgado foi recebida com total surpresa. A ser verdade, estas declarações que têm vindo a público só o responsabilizam", afirmou fonte oficial da Mutualista ao DN/Dinheiro Vivo.

Fonte da CEMG disse ao DN/Dinheiro Vivo que "ao contrário do que tem sido veiculado, José Morgado não se vai demitir".

O impasse deixou aberta uma ferida que coloca de novo o Montepio num caminho de incerteza depois de trimestres de maior acalmia e de um "arrumar de casa".

E volta a pôr em cima da mesa preocupações sobre a política de governo do banco e a real separação entre a CEMG e seu acionista.

Guerra surda

A saída de Félix Morgado da liderança do Montepio tem sido um tema falado e, também público, tem sido o choque existente entre Félix Morgado e Tomás Correia, o primeiro ligado à Opus Dei e o segundo conotado com a Maçonaria.

Certo é que, do seu lado, Félix Morgado tem a "luz verde" dada pelo Banco de Portugal em agosto de 2015 para liderar a CEMG, num mandato cuja prioridade passava por limpar a casa e, sobretudo, melhorar a imagem do banco no mercado e junto dos seus próprios clientes.

Também do seu lado estão os resultados que tem divulgado desde que está à frente do banco, com quatro trimestres sempre com resultados positivos.

O banco passou a ser detido na totalidade pela Mutualista no passado mês de novembro, na sequência da oferta pública de aquisição lançada pelo acionista. O banco deixou de estar cotado em bolsa e o objetivo é poder haver a entrada de um novo acionista no capital do Montepio.

Também em novembro o banco anunciou a venda de 581 milhões de euros de crédito malparado. Em outubro, emitiu obrigações hipotecárias num total de 750 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.