Falta de mão-de-obra especializada na construção está a acentuar-se

Federação teme que falta de trabalhadores comprometa a execução das obras e que aumente a pressão sobre os custos

A falta de mão-de-obra especializada "está a acentuar-se e constitui o obstáculo à atividade da construção", segundo a análise de março da Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP) divulgada esta quinta-feira.

A federação refere que a análise aos inquéritos qualitativos do Instituto Nacional de Estatística (INE) às respostas dos empresários da construção "permite concluir que os responsáveis pelas empresas encaram de forma favorável a evolução do setor", quer em termos gerais, como das suas empresas em particular.

No entanto, também é possível identificar dificuldades que o setor enfrenta, com "a escassez de mão-de-obra especializada" que "está a acentuar-se e constitui o obstáculo à atividade da construção cuja importância mais tem aumentado ao longo dos anos mais recentes", adianta a FEPICOP.

"Esta situação, a manter-se, pode comprometer a recuperação do setor da construção por dois motivos: a falta de trabalhadores para a execução das obras e o aumento da pressão sobre os custos da construção, o que, refletindo-se no aumento dos preços finais, reduzirá a procura dirigida aos produtos do setor", salienta a FEPICOP.

"Pelo contrário, e com exceção da dificuldade na obtenção das licenças, todos os outros fatores limitativos da atividade têm vindo a ser menos referidos pelos empresários, apesar de se manterem relevantes", acrescenta a federação na análise de conjuntura de março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.