Facebook poderá vir a ocultar número de 'likes'

O autor da publicação pode ver o número total de gostos, mas os outros utilizadores não.

O Facebook pode vir a esconder o número de "Gostos" nas publicações do Feed de Notícias com o objetivo de proteger os utilizadores de "inveja e dissuadi-los de autocensura", indica o Techcrunch. O Instagram já está a testar esta opção em sete países, mostrando apenas alguns nomes de seguidores em comum que gostaram de determinada foto em vez do número total.

O objetivo da rede social é prevenir que os utilizadores se comparem uns com os outros de forma destrutiva e se sintam inferiores consoante o número de gostos. O autor da publicação pode ver o número total de gostos, mas os outros utilizadores não.

O alargamento do teste do Instagram a vários países - começou a ser testado no Canadá e e já está no Brasil, Austrália, Nova Zelândia, Itália, Irlanda e Japão - e o facto de o Facebook estar a fazer a experiência também revela que a mudança poderá ter impactos positivos ou insignificantes na partilha de conteúdos enquanto ajuda a saúde mental.

Remover a contabilização de gostos poderá colocar menos pressão sobre os utilizadores e incentivá-los a partilhar conteúdos de forma mais livre e frequente, defende a Techcrunch. Além disso, esta alteração poderá reverter o declínio de popularidade que o Facebook tem vindo a sofrer.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.