Facebook afirma que erros não foram intencionais

Empresa multado em 110 milhões de euros por dados enganosos na compra do Whatsapp

O Facebook afirmou hoje que a empresa atuou "de boa-fé" e que os "erros" não foram "intencionais", depois da Comissão Europeia (CE) ter anunciado uma multa de 110 milhões de euros à companhia norte-americana.

"Atuámos de boa-fé desde o princípio das nossas interações com a CE e tratámos de proporcionar informação precisa em cada momento", assegurou o porta-voz num comunicado.

No comunicado, o porta-voz adianta que "os erros" cometidos em 2014 nos pedidos à CE "não foram intencionais" e que "a CE confirmou que não afetaram o resultado da avaliação da aquisição".

"O anúncio de hoje põe fim a este assunto", disse o porta-voz.

A CE impôs hoje uma multa de 110 milhões de euros à Facebook por proporcionar informação "incorreta ou enganosa" durante a investigação que iniciou em 2014 pela aquisição da aplicação móvel de mensagens WhatsApp.

A CE argumenta que quando a Facebook notificou a aquisição em 2014, a rede social informou a comissão de que não podia estabelecer de "maneira fiável" a conexão automatizada entre as contas dos utilizadores da Facebook e do WhatsApp.

Contudo, em agosto de 2016, a WhatsApp anunciou uma atualização das condições e da política de confidencialidade, incluindo a possibilidade de associar números de telefone dos utilizadores do WhatsApp aos seus perfis de Facebook.

Em dezembro, a CE expôs à rede social a sua preocupação e identificou que, contrariamente ao que tinha declarado esta em 2014, a possibilidade técnica de associar as identidades dos utilizadores no Facebook e no WahtsApp já existia e que os empregados da rede estavam ao corrente desta possibilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.