Facebook afirma que erros não foram intencionais

Empresa multado em 110 milhões de euros por dados enganosos na compra do Whatsapp

O Facebook afirmou hoje que a empresa atuou "de boa-fé" e que os "erros" não foram "intencionais", depois da Comissão Europeia (CE) ter anunciado uma multa de 110 milhões de euros à companhia norte-americana.

"Atuámos de boa-fé desde o princípio das nossas interações com a CE e tratámos de proporcionar informação precisa em cada momento", assegurou o porta-voz num comunicado.

No comunicado, o porta-voz adianta que "os erros" cometidos em 2014 nos pedidos à CE "não foram intencionais" e que "a CE confirmou que não afetaram o resultado da avaliação da aquisição".

"O anúncio de hoje põe fim a este assunto", disse o porta-voz.

A CE impôs hoje uma multa de 110 milhões de euros à Facebook por proporcionar informação "incorreta ou enganosa" durante a investigação que iniciou em 2014 pela aquisição da aplicação móvel de mensagens WhatsApp.

A CE argumenta que quando a Facebook notificou a aquisição em 2014, a rede social informou a comissão de que não podia estabelecer de "maneira fiável" a conexão automatizada entre as contas dos utilizadores da Facebook e do WhatsApp.

Contudo, em agosto de 2016, a WhatsApp anunciou uma atualização das condições e da política de confidencialidade, incluindo a possibilidade de associar números de telefone dos utilizadores do WhatsApp aos seus perfis de Facebook.

Em dezembro, a CE expôs à rede social a sua preocupação e identificou que, contrariamente ao que tinha declarado esta em 2014, a possibilidade técnica de associar as identidades dos utilizadores no Facebook e no WahtsApp já existia e que os empregados da rede estavam ao corrente desta possibilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.