Facebook admite erro que desbloqueou contactos bloqueados

A rede social Facebook admitiu hoje que desbloqueou os contactos bloqueados de 800.000 utilizadores durante vários dias, um erro que já corrigiu.

A rede social Facebook admitiu hoje que desbloqueou os contactos bloqueados de 800.000 utilizadores durante vários dias, um erro que já corrigiu.

Em comunicado, a rede social adiantou que este desbloqueio massivo aconteceu entre 29 de maio e 05 de junho e que “esse problema já está resolvido e todos já foram bloqueados de novo”.

A tecnológica de Silicon Valley também garantiu que o erro “não restabeleceu amizades que tinham sido cortadas”, mas admitiu que os utilizadores desbloqueados puderam aceder a conteúdos partilhados através de terceiros e colocarem-se em contacto.

O reconhecimento destes erros acontece depois de o Facebook ter atravessado um momento conturbado, afetado por diversos escândalos de privacidade.

O último rebentou em março com a Cambridge Analytica, empresa que utilizou dados do Facebook para elaborar perfis psicológicos de eleitores que alegadamente foram vendidos, entre outros, à campanha do agora Presidente norte-americano Donald Trump, durante as eleições de 2016.

Este escândalo obrigou o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, a comparecer perante o congresso norte-americano.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.